FORÇA-TAREFA: Trabalhadores da Lamsa trabalham incessantemente para deixa a praça de pedágio na Linha Amarela pronta para voltar a cobrança. Foto: Divulgação

De acordo com a concessionária, que obteve na Justiça liminar para voltar a cobrar a tarifa, prejuízo pode chegar a R$ 3 milhões

Operários passaram a noite de segunda-feira (28) e a madrugada desta terça-feira (29) reconstruindo a praça de pedágio da Linha Amarela, no Rio de Janeiro. A cobrança de pedágio segue suspensa em todas as faixas. Mais de cem técnicos e funcionários trabalham no local.

Câmeras de monitoramento foram reinstaladas e algumas cabines de cobrança já foram repostas. A concessionária afirma que as obras vão custar cerca de R$ 3 milhões e devem durar um mês. A Justiça determinou R$ 100 mil diários por inatividade do serviço – o que deve custar à prefeitura também R$ 3 milhões.

O trânsito é intenso na Linha Amarela no começo da manhã desta terça. Sem pedágio, muitos motoristas optaram pela via. Houve um assalto na altura da saída 7, perto de Bonsucesso, no sentido Fundão, por volta de 6h. Homens encapuzados saíram de um veículo, abordaram dois usuários que passavam pela via e levaram os carros. O caso foi registrado na 21ªDP.

Histórico

A Prefeitura do Rio assumiu a gestão da Linha Amarela e suspendeu a cobrança de pedágio a partir da noite de domingo (27). O governo municipal notificou oficialmente a concessionária Lamsa, retirou os funcionários e destruiu as cancelas de pedágio da via.

Na manhã de segunda (28), técnicos da Lamsa inspecionaram as cabines para contabilizar os danos, como fiação arrebentada e exposta dentro das cabines e janelas destruídas.

O município sustenta que a concessionária teve lucro indevido de R$ 1,6 bilhão – resultado, segundo a prefeitura, da cobrança abusiva da tarifa de pedágio – hoje em R$ 7,50.

O Plantão Judiciário da capital derrubou, na madrugada de segunda, a decisão da Prefeitura do Rio de retomar a concessão da Linha Amarela. A liminar determina ainda a volta da cobrança do pedágio – mas a Lamsa afirmou ainda não ter condições mínimas para tal.

O Ministério Público do RJ solicitou à Polícia Civil a realização de uma perícia na praça de pedágio da Linha Amarela para avaliar os danos.

CABINES: De acordo com a Lamsa, algumas cabines já estão prontas. Cobrança deve voltar ao normal em até 30 dias.

Fonte: Portal G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui