O Coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto, faz um alerta sobre o grande número de condutores usuários de drogas no país. Por enquanto, somente os motoristas das categoria C, D e E estão passando por controle através do exame toxicológico de larga janela, o chamado popularmente de ” teste do cabelo”. No primeiro ano de implantação nada menos que 400 mil condutores destas categorias não renovaram a carteira, provavelmente porque não passariam no exame que revela o uso regular de drogas nos últimos 90 dias. Na avaliação de Rizzotto é preciso estender o controle aos demais condutores, além da fiscalização, principalmente em locais com festas sabidamente regadas a álcool e drogas.

Veja o artigo abaixo ou ouça este comentário e outros na seção de Podcast do Estradas

Mistura de drogas e direção é um problema mais grave do que a sociedade imagina

Desde março de 2016, os condutores das categorias C, D e E (caminhões, micro-ônibus, ônibus e reboques) são obrigados a realizar o exame toxicológico no momento de renovação da carteira. Com a coleta de uma pequena quantidade de cabelo, pelos ou unha, é possível identificar se o indivíduo fez uso regular de drogas nos últimos 90 dias. No primeiro ano da exigência do exame, mais de 400 mil motoristas não renovaram a carteira para fugir desse exame, na maioria dos casos. É a chamada positividade escondida.

A categoria mais visada para o exame toxicológico é a de caminhoneiros que trabalham num regime de exploração. Para ficarem acordados, estes profissionais muitas vezes fazem uso de drogas como rebite e cocaína para suportar jornadas que podem chegar a 50 horas.

Esta semana, por exemplo, um caminhoneiro foi flagrado na BR-262, no Mato Grosso do Sul, completamente alucinado, a ponto de ter se atirado do seu caminhão ainda em movimento. Ao ser preso, admitiu ter consumido 20 comprimidos de rebite. Cocaína e maconha também foram encontradas no seu veículo.

Em estudo realizado pelo Estradas, foram identificados 363 acidentes fatais somente neste ano, envolvendo caminhões e automóveis. Deste total, 17 mortes foram de ocupantes dos caminhões e 605 nos automóveis.

É lógico que os caminhoneiros não são os vilões nesta situação, mas a colisão de um caminhão, que pesa dezenas de toneladas e geralmente é ocupado por apenas um indivíduo, causa muito mais mortes do que outros acidentes. Pensando nisso, até o valor do Seguro DPVAT precisaria de uma revisão devido ao grande impacto gerado por esses veículos.

Mas também é necessário evitar o uso de drogas pelos demais motoristas, em especial, os mais jovens. Isso se torna ainda mais importante quando verificamos que não existem registros de CNHs suspensas de condutores flagrados sob efeito de drogas em carros e motos nos Departamentos Estaduais de Trânsito (DETRANs).

Para combater essa epidemia, é necessário desestimular o uso das drogas de modo cada vez mais efetivo, exigindo o exame toxicológico antes da habilitação. Dessa forma, o jovem irá entender que quem consume drogas não pode tirar a carteira. A fiscalização do uso de entorpecentes pela Lei Seca também é eficaz nesse sentido.

Precisamos lembrar sempre que drogas e direção representam uma mistura fatal e a vítima pode ser você ou algum dos seus familiares.

  • Rodolfo Rizzotto – Coordenador do SOS Estradas

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui