No tombamento o motorista morreu. Em janeiro a mesma empresa teve acidente com 8 mortos. Reprodução: EPTV

O ônibus da Transminas, com 66 ocupantes, que tombou no km 301 da Via Anhanguera (SP-330), em Ribeirão Preto (SP), às 2h45 desta quinta-feira (30), tem várias multas por excesso de velocidade.

O motorista morreu no local e o dono da empresa de turismo que alugou o ônibus ficou ferido em estado grave. Segundo informações, ele teve uma perna amputada. Outros passageiros também ficaram feridos, mas sem necessidade de internação.

O Estradas.com.br apurou, com exclusividade, numa pesquisa rápida, que o ônibus recebeu cinco multas por excesso de velocidade em radares fixos este ano, sendo quatro em rodovias federais e uma em rodovia paulista. Não foi possível identificar o real infrator, nem saber se a empresa informou aos órgãos envolvidos.

Das quatro multas em rodovias federais, três ocorreram de madrugada e sempre com velocidade até 20% acima do limite. Apesar do veículo ser identificado como Transminas, o coletivo está registrado sob a razão social KSS Transportes Ltda, com sede na cidade de São Paulo.

CONSULTA MULTA- Multas > Dados da Infração

Nº do AI R747691681
Valor do Boleto 130,16
Placa/UF GHZ0B14-SP
Renavam: 01222187482
Local da infração BR – 116 KM – 148 UF – SP
Código da Infração 74550
Descrição da Infração Transitar em velocidade superior à máxima permitida em até 20%
Data da Infração 06/04/2024
Hora da Infração 01:24
Amparo Legal 218 I
NIT/NAP 87159951
Pontos 4

Não foi possível apurar outras eventuais multas aplicadas pela Polícia Rodoviária Estadual de São Paulo ou de outros estados. O veículo está regularizado junto à ANTT e tinha como destino Caldas Novas, em Goiás, onde a chegada da excursão ao hotel estava prevista para as 8h00.

Entretanto, a distância entre o local da colisão e o destino é de pelo menos 450 km, impossível de ser percorrida por um ônibus trafegando dentro dos limites de velocidade, considerando que ainda faltavam 5h15 para a chegada ao destino.

Versões contraditórias

Ouvido por reportagem no local, um motorista reserva disse que dormia e viu o ônibus colidir com um caminhão. Apesar disso, a empresa Transminas afirmou que o motorista teve um mal súbito e que não houve colisão com outro veículo. Acrescentou que o motorista auxiliar dormia na hora do fato.

Há o relato de uma testemunha que estaria num veículo que vinha atrás, a qual relatou que um caminhão ultrapassou o ônibus pela esquerda. Outras testemunhas informaram que o motorista perdeu o controle do veículo e tombou.

Na madrugada, são frequentes tombamentos com motoristas que cochilam ao volante. O trecho é de pista dupla, com boas condições de pavimentação e sinalização.

O cronotacógrafo está com o certificado de ensaio provisório e válido até o dia 2 de junho próximo. As informações geradas pelo equipamento vão permitir identificar eventual excesso de velocidade, colisão ou até sinais de fadiga. O veículo é um modelo da Scania, com carroceria da Comil de dois andares, ano 2019/2020 e capacidade para 66 passageiros.

A Arteris ViaPaulista informou inicialmente que o acidente ocorreu após uma colisão traseira do ônibus com outro veículo, não encontrado no local. A perícia trabalhou durante várias horas nesta quinta-feira (30) para investigar as possíveis causas e a dinâmica do acidente.

Em janeiro, outro ônibus da Transminas colidiu, resultando em 8 mortes

Na ocasião, o Estradas.com.br também identificou várias multas por excesso de velocidade, embora a causa aparente da colisão tenha sido a imprudência de outro condutor. O motorista da Transminas também morreu naquela colisão, junto com uma passageira. Do outro veículo, morreram seis ocupantes, quatro na pista e dois posteriormente.

Veja a matéria sobre o caso:

Sobe para 8 o total de mortes no acidente da BR-116/MG com ônibus e Veraneio

Sobe para oito o total de mortes no acidente da BR-116/MG com ônibus e Veraneio

Serviço:

Veja 20 dicas para você viajar de ônibus com segurança e identificar situações de risco