ABUSO DE AUTORIDADE? Concessionária Lamsa repudia o ato do prefeito Crivella que mandou os funcionário da prefeitura destruírem o pedágio da Linha Amarela, na noite deste domingo (27). Foto: Hudson Pontes/PM Rio

Decisão foi tomada agora, à noite; concessionária Lamsa emitiu nota repudiando o ato abuso extremo de autoridade

O pedágio da Linha Amarela, no Rio de Janeiro, está sendo destruído na noite deste domingo (27), por funcionários da prefeitura do Rio de Janeiro, a mando do prefeito Marcelo Crivella.

De acordo com nota da Prefeitura do Rio, a empresa Lamsa foi notificada neste domingo, 27 de outubro, sobre o rompimento unilateral do contrato de concessão da Linha Amarela com a empresa, que administrava a via expressa.

Ainda de acordo com a nota, a primeira determinação do prefeito Marcelo Crivella foi a derrubada de todas as cancelas que impediam a passagem dos veículos sem que houvesse o pagamento de pedágio.

A nota segue dizendo que a medida já havia sido publicada no Diário Oficial de sexta-feira, 25 de outubro, e a notificação garante o fim imediato da concessão. A administração da Linha Expressa passa para a Secretária Municipal de Transportes.

Durante a operação ainda foram descaracterizadas as cabines de cobrança, com desligamento de energia pela RioLuz, e sensores e câmeras foram inutilizados.

Crivella usa como base valor apontado pela CPI da Linha Amarela na Câmara dos vereadores que aponto um prejuízo de R$ 1,6 bilhão para o município. De acordo com dados da prefeitura, desde o início da cobrança de pedágio, em 1998, até o final de 2018, passaram pela via 151.282.630 veículos a mais do que havia sido projetado na modelagem financeira da concessão. Ainda de acordo com a prefeitura, os ganhos da Lamsa com a Linha Amarela são suficientes para que a concessão tivesse sido encerrada em 2015.

Não é a primeira vez que Crivella entra em colisão com a Lamsa. Em mais de uma oportunidade, o prefeito tentou cancelar o pedágio cobrado na Via. A revogação, via Poder Judiciário, sempre vinha no mesmo dia ou no dia seguinte.

Nota da Lamsa

Num ato de abuso extremo de autoridade, sem precedentes na história e sem amparo jurídico, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, determinou a destruição da praça de pedágio da concessionária Lamsa, no final da noite deste domingo. Um ato que colocou em risco a segurança dos colaboradores e usuários da via expressa. A concessionária, uma empresa do grupo Invepar, condena veementemente a decisão ilegal e abusiva do poder municipal, que só causará transtornos à sociedade carioca. A Lamsa tomará, junto à Justiça, todas as medidas cabíveis em defesa de seus direitos e de seus funcionários. 

3 COMENTÁRIOS

  1. Tem que mandar prender este prefeito. Com estes políticos que temos, qual a garantia para o investidor externo vir para o Brasil?

  2. Esse pedágio de valor abusivo, entre outros iguais aquele vergonhoso da Via Lagos, são moldados de forma a pagar uma bola mensal para políticos.
    Parabéns Crivella.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui