ALIADO DO BEM: PRF há 20 anos, o agente Tercio Baggio tem um canal no youtube para incentivar as pessoas a denunciar crimes de trânsito nas vias públicas. Foto: Divulgação

Com 20 anos na Polícia Rodoviária Federal, o agente Tercio Baggio criou um canal no youtube para falar sobre sua atividade como policial rodoviário, educação no trânsito e, mais recentemente, sobre a importância de combater os maus motoristas

A luta pela redução de acidentes de trânsito nas vias públicas do país, a educação de jovens sobre questões relacionados ao tema, a vida de um policial rodoviário federal e o combate aos abusos realizados por motoristas irresponsáveis são as principais bandeiras levantadas pelo policial rodoviário federal Tercio Baggio.

Em pouco mais de 20 anos atuando nas estradas federais do Brasil, Baggio tem mostrado sua árdua e constante luta em favor de um trânsito menos violento e mais responsável. Para tanto, ele – além de procurar transmitir mensagens educativas aos condutores que aborda na pista – criou um canal no youtube, no qual fala do seu amor pela profissão, do concurso da PRF, de boas maneiras no trânsito, de acessórios em  veículos, e também, nos últimos meses, de um assunto muito importante que tem alcançado destaque na mídia nacional, que é o crime de trânsito, cometido por jovens motoristas que fazem rachas em vias públicas e postam vídeos das manobras na internet com fins lucrativos.

Cientes deste grave problema – que conta com a participação de jovens e até adolescentes – que tem provocado centenas de acidentes e mortes em todo o país, o Portal Estradas.com.br, com o apoio de entidades de vítimas de trânsito, tem desenvolvido ações para conscientizar a sociedade civil e as autoridades sobre essa questão.

Nos últimos meses, vem surgindo uma ‘luz no fim do túnel’, no que diz respeito a pôr um fim nessa trajetória. Em fevereiro, por meio dos esforços do SOS Estradas e da ‘Trânsito Amigo”, a deputada federal Christiane Yared apresentou o Projeto de Lei 130/2020 na Câmara dos Deputados, que visa punir motoristas que cometam infrações de trânsito e divulguem nas redes sociais ou outros meios digitais, eletrônicos ou impressos.

De acordo com a deputada, “infelizmente, nosso país é um dos maiores assassinos no trânsito, sem que tenha tomado as medidas necessárias para amenizar esse estigma. Associado a isso, temos uma cultura de desrespeito às regras de trânsito, como se essa conduta fosse algo banal e até mesmo elogiável. Algo precisa ser feito”, diz.

Em meio a esse cenário, o apoio do PRF Tercio Baggio é fundamental e muito importante. Para saber um pouco mais sobre seu trabalho como PRF e cidadão, o Estradas.com.br conversou com ele nessa semana. Acompanhe a entrevista.

1 – Quando você ingressou na Polícia Rodoviária Federal (PRF)?

Entrei em 1999. São mais de 20 anos na Corporação.

2 – Você sempre esteve ligado às causas envolvendo o trânsito?

Institucionalmente, desde 2011, quando fui nomeado chefe do Setor de Comunicação Social. Já na minha chegada, na comunicação social, tivemos um impacto positivo de uma grande operação desencadeada pela PRF e que teve uma repercussão enorme no país. Na ocasião, vários condutores foram flagrados dirigindo embriagados numa festa na rodovia federal.

3 – Desde quando e por que você resolveu criar esse canal no Youtube?

O canal do youtube já existia. Eu postava algumas reportagens que julgava relevantes, mas nunca alimentei pessoalmente. A postagem diária surgiu da necessidade de atingir um público, que só o youtube alcançava. Na mídia tradicional (impressa, televisiva), eu não conseguiria alcançar os jovens que acompanham esses rachas e essas disputas por desempenho de veículo. A partir daí, eu comecei a alimentar e começou a ter algum resultado. Primeiro, apareceram alguns haters [pessoas contrárias a criadores de conteúdo do youtube], para tentar denunciar o canal. Imagine você mexer com alguém que tem 550 mil seguidores. Mas com o tempo, o bom público se aproximou também, e a gente já tem alguns casos de conversões.

4 – Como é sua trajetória na luta contra os abusos no trânsito?

Em 2001, no Mato Grosso do Sul, fizemos uma operação que ainda é muito utilizada em palestras pelo Brasil até hoje (ver vídeo). Na ocasião, deixamos um policial infiltrado na festa registrando a bebedeira por vídeo e após isso, abordávamos na rodovia. Meu tom na assessoria de comunicação sempre teve um viés de expor os flagrantes mais graves, tentando fugir das respostas formais que a instituição concede quando é questionada sobe feriados ou situações graves. Levei para imprensa casos como o de um motorista de caminhão que estava dirigindo há 52 horas sem intervalo, dentre tantas outras situações graves. Abordamos o uso de drogas por caminhoneiros e as alterações exageradas nas características originais do veículo.

Em todas essas situações, a PRF sempre foi um suporte e a detentora final da ação. Neste caso específico dos youtubers, percebi que uma reportagem, ainda que muito impactante, não teria a menor chance de surtir efeito, daí surgiu a ideia de criar um personagem da vida real que fosse um antagonista no youtube para esses jovens.

Trecho da conversa de Tercio Baggio com um seguidor 

Depoimentos como estes, aparecem no canal vez por outra e mostram que existe um efeito surgindo. Aquela figura do policial algoz e moralista vai sendo desfeita para alguém que, talvez, seja mais próxima, mais humana, sem o peso do uniforme. Aliás, o objetivo sempre foi deixar a imagem – não as ações – da instituição PRF afastadas do canal, para que pudessem ser lidas de igual para igual com os youtubers. Aparentemente, tem dado certo.

5 – De que forma você vê a participação da sociedade no combate a esses crimes de trânsito?

A sociedade é o que há de mais importante nesse processo, pois estamos falando de algo que é quase impossível de ser atingido agora pela fiscalização. Com envolvimento da sociedade, aprovar o PL 130/2020, que visa punir que desenvolve esse tipo de conteúdo em vias públicas.

6- Você acredita numa mudança de postura a curto prazo?

Já temos tidos alguns resultados, um dos youtubers já retirou quase todos os vídeos com esses crimes e não tem postado mais infrações gravíssimas nas rodovias e na cidade. Só isso já é um ganho. Mas evidente que isso não resolve o problema de outras centenas de jovens pelo país que adotaram isso como modelo.

7 – Por que as autoridades ainda não tomaram uma medida efetiva para eliminar ou minimizar esses crimes de trânsito?

Sobre as autoridades, o assunto é muito novo. O problema explodiu entre 2019 e 2020, e a sociedade teve medo de denunciar de cobrar. Com a recente exposição do caso que ocorreu, as autoridades ligadas ao judiciário já iniciaram os primeiros movimentos. Particularmente, confio no trabalho do Ministério Público e da Justiça, ainda que não tão rápido como gostaríamos. Logo teremos novidades e esses jovens poderão se encontrar inviabilizados de continuar essa insanidade, a começar, pela cassação judicial de suas CNHs, dentre outros motivos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui