NÃO PASSOU: Isenção do pedágio pretendia estimular o aumento da frota de veículos elétricos, que são menos poluentes. Foto: Deposiphotos

Relator argumenta que isenção de tarifa provoca quebra de isonomia e não garante incentivos à compra de veículos elétricos

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados rejeitou o Projeto de Lei 2397/21, que dispensa veículos elétricos do pagamento de pedágios. A isenção deveria ser prevista nos futuros editais de concessão de rodovias publicados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Por ter sido rejeitado em todas as comissões, o texto será arquivado, a menos que haja recurso para análise em Plenário.

O deputado Felipe Rigoni, relator da proposta, defendeu a rejeição da proposta. Ele já havia relatado o projeto na Comissão de Viação e Transportes.

“Esse movimento acarreta aumento de preços de pedágio aos não isentos da tarifa, o que provoca quebra de isonomia na fruição dos serviços rodoviários”, disse o relator. Para Rigoni, a isenção em pedágios não irá necessariamente gerar incentivos à compra de veículos elétricos.

Apesar de concordar com a argumentação do autor, deputado Leonardo Gadelha, segundo a qual o objetivo da isenção é estimular o aumento da frota de veículos elétricos, menos poluentes, Rigoni discorda da ideia de isenção para segmentos específicos de veículos, como a atual isenção para motocicletas e similares em rodovias federais.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui