Faz mais de 14 anos, mais precisamente no dia 23 de março de 2001, que o então presidente do Congresso Nacional, Jader Barbalho, promulgou a lei federal 10.209, originária da medida provisória 2.107, do presidente Fernando Henrique Cardoso. A lei, que criou o vale-pedágio, como muitas no Brasil, não pegou, ou pegou em parte. Até hoje, a maioria dos embarcadores não a respeitam.

Em seu artigo 8º, ela diz que o embarcador é obrigado a indenizar o transportador em duas vezes o valor do frete, caso não pague o vale-pedágio. “Se o valor do frete estiver somado no documento do frete com o valor do pedágio, não se caracteriza adiantamento de pedágio, o que dá direito ao transportador de também reivindicar as suas indenizações”, afirma Miguel Mendes, diretor executivo da Associação dos Transportadores de Mato Grosso (ATC).

A entidade começou uma campanha para conscientizar os transportadores da necessidade de exigirem seus direitos em relação ao vale-pedágio. “Da mesma forma como muitos embarcadores não cumprem a lei da estadia, também não cumprem a do vale-pedágio. Junto com outras entidades, nós estamos fazendo uma campanha para alertar o transportador de que ele tem muitos deveres, mas também tem direitos.”. De acordo com Mendes, o transportador pode pleitear seu direito na Justiça referente aos serviços prestados nos últimos 12 meses.

O assessor jurídico da entidade, Clóvis Henrique Florêncio de Lima, está com cinco ações preparadas para ajuizar. Ele conta que muitas empresas, ao negociar com o transportador, já descontam o valor do pedágio no valor do frete. “Tem cliente que consegue comprovar esse fato, trazendo e-mails trocados com o embarcador em que essa negociação fica explícita”, afirma.

O Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos (Sindicam), de São Paulo, move dezenas de ações de indenização para seus associados que não receberam o vale-pedágio. Uma delas chegou ao valor de R$ 700 mil, conforme conta Norival Almeida da Silva, presidente da entidade. “Eram várias ações contra o mesmo embarcador. Quando ele perdeu uma, saiu negociando com os outros caminhoneiros, que, infelizmente, aceitaram valores bem menores. Só um ou outro manteve o processo”, afirma.

De acordo com Norival, o vale-pedágio será um dos assuntos discutidos no Fórum Permanente do Transporte de Carga Líquida, que foi instalado na quarta-feira (1) em Brasília.

Fonte: Cenário MT

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui