TRAGÉDIA: Quatro pessoas da mesma família, sendo uma criança de 2 anos, morreram em acidente na SP-294, em Avaí (SP), nessa quinta (3), segundo a PMRv. Fotos: Reprodução/TV Tem

De acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), ocorrência foi registrada na manhã dessa quinta-feira (3), envolvendo um carro e um caminhão

Um grave acidente (sinistro) no km 373 da Rodovia Comandante João Ribeiros de Barros (SP-294), em Avaí (SP), na manhã dessa quinta-feira (3), envolvendo um Chevrolet Cobalt e um caminhão Mercedes-Benz, modelo 1718, deixou quatro mortos, entre elas uma criança, e um ferido, de acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRv).

Ainda de acordo com a Corporação, o motorista do Cobalt, Marcelo Vicente Noel dos Santos, de 32 anos, chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital.

Segundo os policiais, o caminhão, com placas de Santa Helena de Goiás (GO), colidiu na traseira do Cobalt, placas de Bauru (SP), onde estavam as vítimas.

De acordo com a PMRv, a criança de 2 anos, identificada como Pedro Vicente Bergo; a mãe, Juliana Bergo de Souza e Silva, de 34 anos, e a avó, Fátima Aparecida Vicente dos Santos, de 67 anos, morreram no local. O pai de Pedro, que conduzia o Cobalt, foi socorrido mas faleceu no hospital, e o avô de Pedro, José Noel dos Santos, de 62 anos, ficou ferido gravemente e foi socorrido ao Pronto-Socorro Central de Bauru.

Segundo a PMRv, o caminhoneiro relatou que o veículo apresentou problemas no câmbio e ele não conseguiu frear, porém as causas ainda serão investigadas pela Polícia Civil.

O condutor foi submetido ao teste de bafômetro, mas deu negativo. O tráfego chegou a ficar interditado por uma hora e meia.

De acordo com a PMRv, os corpos das vítimas foram levados ao Instituto Médico-Legal (IML) de Bauru e o velório será nesta sexta-feira (4), em Marília, com sepultamento no período da tarde também na cidade.

CÂMBIO: Segundo a PMRv, o caminhoneiro relatou que o veículo apresentou problemas no câmbio e ele não conseguiu frear, porém as causas ainda serão investigadas pela Polícia Civil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui