RECORDISTA: A preocupação é grande na TO-080, que liga Palmas a Paraíso do Tocantins, onde vários acidentes foram registrados. Só nos três primeiros meses desse ano, foram oito ocorrências graves, envolvendo mortos ou vítimas com ferimentos graves. Foto: Márcio Vieira/ATN

De acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), entre janeiro e março deste no, foram registradas 45 mortes; no mesmo período de 2020, foram 38 óbitos

O número de pessoas que morreram em acidentes nas rodovias estaduais do Tocantins subiu no primeiro trimestre desse ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a março de 2021, 45 vítimas perderam a vida. No primeiro trimestre do ano anterior, foram 38.

Os dados foram divulgados pelo Batalhão da Polícia Militar Rodoviário e de Divisas. Conforme o balanço, neste ano, 639 pessoas ficaram feridas em acidentes de trânsito. O número é menor do que o registrado em 2020, quando 826 tiveram algum tipo de ferimento.

A preocupação é grande na TO-080, rodovia que liga Palmas a Paraíso do Tocantins, onde vários acidentes foram registrados. Só nos três primeiros meses desse ano, foram oito ocorrências graves, envolvendo mortos ou vítimas com ferimentos graves.

O subcomandante do Batalhão, major Geraldo Magela, disse que o excesso de velocidade é a principal causa.

“As pistas estão boas, bem sinalizadas, no aspecto comportamental, vem o excesso de velocidade, vem ultrapassagem em faixa contínua. O Batalhão Rodoviário tem se posicionado, tem feito fiscalizações, abordagens e posicionamentos em locais estratégicos para que possamos coibir esse tipo de postura”.

A rodovia está com asfalto em boas condições, com sinalização adequada, fatores que colaboram para um trânsito mais seguro. Mas, na prática, a realidade é outra. Motoristas dizem que têm faltado consciência por parte de alguns condutores que trafegam pela via.

“A estrada ficou muito boa e antes tinha muito buraco. Agora, o pessoal aproveita que está bom e aperta o pé”, argumentou o analista judiciário Sebastião César Sousa.

Durante a reportagem, a TV Anhanguera flagrou várias irregularidades, como ultrapassagens perigosas. O motorista Vitor Inácio Ribas disse que se depara com essa situação constantemente. “Acontece muito de imprudência, faixa contínua, às vezes o caminhão chega na subida, perde força, vai devagar, eles entram e vão na curva, na faixa contínua, onde estiver. Risco de acidente grande”.

O major Geraldo Magela recomenda que motoristas evitem trafegar trafegar na rodovia, nos horários considerados de pico. “Às vezes a pessoa [fala]: ‘Não, eu preciso chegar até meio-dia, ou até às 18h’. Então, ele pode tardar um pouco mais, meia hora já diminui o fluxo de veículos”.

Fone: Portal G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui