POLÊMICA NA PRAÇA: DER determina que concessionária Econorte retire lombadas eletrônicas, mas permite as cancelas extras na praça de Jataizinho, na BR-369, no Paraná. Foto: Divulgação

De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), cancelas extras não precisam ser retiradas, mas não devem ser operadas até que seja autorizado

Um dia depois de ser notificada pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), do Paraná, a concessionária Econorte retirou as lombadas eletrônicas instaladas antes das cabines de segurança no pedágio de Jataizinho, na BR-386, que obrigavam o motorista a reduzir a velocidade.

De acordo com a empresa, as cancelas extras instaladas não serão retiradas sem autorização do departamento.

Antes das cabines de cobrança, a empresa instalou cancelas extras e lombadas eletrônicas para evitar que usuários passem pelo local sem pagar a tarifa. A concessionária também contratou seguranças particulares para evitar confusão na praça.

A tarifa de pedágio em Jataizinho para carros custa R$ 23,70, e a rodovia não é duplicada. A instalação desses novos dispositivos causou revolta entre alguns usuários. No domingo (6), centenas de manifestantes fizeram um protesto na praça de pedágio. As cancelas foram quebradas e vários motoristas passaram sem pagar a tarifa.

Por meio de nota, a Econorte informou que os redutores de velocidade foram retirados temporariamente e vai apresentar estudo para regularizá-los. Com relação às cancelas, a empresa vai solicitar prazo para justificar a implantação. Nesse tempo, não vai retirar os dispositivos.

Ainda de acordo com a Econorte, a instalação de novas cancelas faz parte de um novo sistema de segurança para garantir mais conforto aos usuários com aumento de pessoal e melhoria da infraestrutura. O objetivo é evitar riscos aos usuários e também infrações de trânsito. Não pagar pedágio é uma infração grave que pode dar cinco pontos na carteira e multa de R$ 195,23.

Vai ficar

O DER informou que as cancelas vão permanecer, mas não poderão ser utilizadas, deverão ficar erguidas. A decisão é diferente de segunda-feira, quando o órgão informou que todos os equipamentos instalados deveriam ser removidos.

Ainda de acordo com o DER, se a empresa apresentar um estudo sobre a utilização de mais cancelas no pedágio e os técnicos aprovarem, o dispositivo poderá ser utilizado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui