As aulas recomeçaram para quase 4 mil acadêmicos da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), campus local, e o perigo vem de carona com os milhares de automóveis e motocicletas que passam pela MT-358 diariamente. A morte de duas mulheres ligadas à universidade, em 2009 e 2011, levou estudantes a pressionarem o governo do estado à duplicar o trecho da rodovia entre o Cristo Redentor e Unemat.

Em setembro do ano passado, em visita a Tangará da Serra, o governador do Estado, Silval Barbosa (PMDB), assegurou que a duplicação ocorreria em 2012 e o deputado estadual Wagner Ramos (PR) começou a cobrar a inclusão do projeto, de aproximadamente R$ 9 milhões, no Orçamento de 2012 do Estado – o que não houve.

É o que informou a Secretaria de Estado de Transportes e Pavimentação Urbana (SETPU). Por meio de sua assessoria de comunicação, a Superintedência de Obras, informou que a duplicação da MT-358 não está prevista no cronograma da SETPU. “Não tem nenhuma obra de duplicação prevista para a MT-358 e nem previsão no orçamento de 2012, pois se estivesse no orçamento nós saberíamos”, disse a asssessoria.

Por sua vez, o deputado Wagner Ramos disse acreditar que a obra ocorra ainda este ano. “Foi um compromisso feito pelo governador em audiência no ano passado no Parque de Exposições”, falou, explicando que, inclusive, uma empresa já está no trecho fazendo o alargamento da pista para facilitar as obras posteriores.

“Agora temos que correr atrás – eu, como deputado, os acadêmicos, empresários, para que a obra seja efetivada como prometido”, declarou.

Um dos líderes do “Movimento Duplicação”, criado em 2011 para pressionar o governo, Alcebíades Ferreira, falou que tem mantido contato constante com as autarquias do Estado e que sempre recebe a informação positiva sobre a duplicação. “Nos falam da possibilidade de iniciar a duplicação em março e que vai haver um remanejamento de recursos para realizar a obra”, disse.

Alcebíades falou ainda que o Movimento não deixará o tema ´cair no esquecimento´ e que os investimentos na Copa de 2014 não podem ser argumentos para a não concretização da promessa. “Sabemos que neste momento de Copa, tudo está sendo investido em Cuiabá e na Copa, mas vamos estar atentos, tenho acesso ao deputado Wagner Ramos e estaremos articulando para que a duplicação aconteça. Não podemos deixar esse assunto cair no esquecimento e ser mais uma promessa”, comentou.

Alcebíades Ferreira ainda disse ao DS que em breve acontecerá um manifesto pacífico de conscientização entre os acadêmicos da Unemat. “Não vamos trancar a rodovia, mas vamos distribuir adesivos para carros e motos para que o assunto seja sempre lembrado por todos”, falou.

Tudo começou em novembro de 2009 quando a acadêmica Patrícia de Lara morreu em um acidente no trecho. Revoltados, os estudantes criaram um movimento e organizaram vários protestos. Quando parecia que o caso já tinha esfriado, em setembro do ano passado a funcionária de uma empresa que presta serviços à Unemat, Bentina Domingas dos Santos, morreu depois de ter tido as pernas amputadas.um novo movimento foi criado e mais uma vez a duplicação foi pautada e prometida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui