Quando o limite é de 50 km/h, as velocidades são reduzidas para até 20 km/h. Essa redução excessiva provoca um fenômeno, a “onda zero”.  Foto: Divulgação

Conheça os mitos que envolvem as lombadas eletrônicas e trafegue com mais tranquilidade

Ninguém gosta de congestionamentos no trânsito, certo? Mas muitos deles poderiam ser evitados ou, pelo menos, minimizados, se alguns motoristas mudassem alguns comportamentos.

Por exemplo: passar pelas lombadas eletrônicas com velocidade igual ou um pouco abaixo da informada na placa já ajudaria bastante. Há uma prática facilmente perceptível de muitos motoristas que é a de reduzir excessivamente a velocidade quando estes se aproximam de uma lombada eletrônica.

Se o limite é 80 km/h, muitos passam com 60, 50 e até 40 km/h, por exemplo. Quando o limite é de 50 km/h, as velocidades são reduzidas para até 20 km/h. Essa redução excessiva provoca um fenômeno, a “onda zero”.

Como nasce a onda zero? Em um limite de 50 km/h, por exemplo, o primeiro carro reduz para 40, o segundo para 35, o terceiro pra 30, e essa redução vai até aquele condutor que acaba parando o seu carro por causa do que está à sua frente, isto é, a velocidade é nula (zero).

Ele só quer evitar a colisão traseira. E a partir daí, tantos outros que seguem na fila acabam parando também. O problema é ainda maior, pois os que pararam têm que sair do “zero”; um por um. A essa altura o congestionamento já será grande.

Por que isso acontece? Por medo de ser multado, por falta de confiança no equipamento ou por excesso de zelo. O que precisa ficar claro é que os radares são aferidos pelo INMETRO anualmente, descartando com isso a possibilidade de erro.

Mesmo assim, existe uma margem de erro que é considerada. Esta margem é de 7 km/h ou de 7%, para mais, dependendo do limite, o que pode beneficiar o motorista. Na prática, como funciona? Vamos aos exemplos.

A lombada que foi regulada para flagrar veículos acima de 80 km/h, só capta o excesso a partir de 87 km/h. Naquelas onde o limite é de 50 km/h, você só será multado se passar com velocidade superior a 57 km/h.

Naquela onde o limite é de 100 km/h, só será registrado o excesso quando se ultrapassa os 107 km/h. A exceção fica para os equipamentos que limitam velocidades superiores a 100 km/h, onde a margem de erro será de 7%. Vamos para outro exemplo.

Em uma lombada eletrônica que considere o limite em 110 km/h, a margem será de 117,7 km/h, isto é, 7% a mais. Então, quando um infrator recebe uma notificação porque passou a 61 km/h, quando o limite era de 60 km/h, na verdade ele passou a 68 km/h.

Neste caso, os 7 km/h já foram subtraídos e, no final das contas, a velocidade considerada foi de 61 km/h. Os radares portáteis também seguem esta mesma regra.

Embora não sejam equipamentos pertencentes e administrados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), diversas lombadas eletrônicas são instaladas em rodovias federais e em locais onde existem retornos ou pontos de grande travessia de pedestres.

O objetivo é evitar colisões e atropelamentos. Mas se você passar por ela na velocidade limitada pela placa ou um pouco abaixo dela, os congestionamentos diminuirão consideravelmente. Todos que estão no trânsito serão beneficiados.

6 COMENTÁRIOS

  1. Muito boa reportagem mas gostaria de tirar uma dúvida. Como a lombada eletrônica multa as motos? a câmera não fica de frente da placa dianteira do carro? Moro numa casa em frente a um redutor de velocidade e vejo quando os carros e motos passam , mostra a velocidade mas o número da velocidade e a câmera s são virados para o carro , então só tira foto da placa dianteira? Como multam as motos? Ou não multam. Muito obrigado

    • Sr. Pedro Lopes, bom dia!

      Obrigado por nos prestigiar. Gostaríamos de saber o local ao qual o senhor se refere, é uma via urbna ou rodoviária?

      Atenciosamente,
      Equipe Estradas

  2. Boa tarde, excelente reportagem, muito explicativa, no caso em uma lombada onde a velocidade é de 50 km/h e quando passei marcou 57 km/h, então não tem como me multar? É isso mesmo? meu carro tá com problema no velocímetro, estou para consertar!
    Fico no aguardo, estou com a consciência pesada!

    • Prezado, Valdeci Oliveira, bom dia!

      Nós somos um portal de notícias. O senhor precisa entrar em contato com a prefeitura de sua cidade ou o órgão responsável pelo trânsito local onde o senhor passou para obter mais informações.

      Atenciosamente,
      Equipe Estradas

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui