O levantamento mostra ainda que 36% deixaram de lado o hábito de beber e dirigir, 13% passaram a sair menos e 10% passaram a usar mais táxis ou caronas

Muito se falou desde o último dia 20 de junho. Foram várias reclamações de pessoas que não acreditavam que realmente poderiam ser presas por dirigir depois de tomar “apenas” dois copos de cerveja. Um mês e meio depois, tudo está ficando mais calmo e 95% dos fortalezenses já aceitam e aprovam a Lei Seca. Os dados são da pesquisa O POVO/Datafolha, que realizou entrevistas com 817 pessoas com 16 anos ou mais entre os dias 29 e 30 julho, em Fortaleza. A pesquisa revelou também que 36% deixaram de lado o hábito de beber e dirigir.
Gente como Fabrício Bastos, que trabalha como despachante de documentos imobiliários. No início, ele tinha uma certa resistência. “Passei a me programar sempre lembrando da lei. Não queria ser prejudicado”. E acabou mudando de opinião. “Realmente diminui os riscos. O trânsito fica mais seguro”. Como ele é o único do grupo de amigos que dirige, não tem jeito. Sobra mesmo para ele. Mas as pessoas estão buscando alternativas. Conforme a pesquisa, 13% passaram a sair menos e a tomar bebidas alcoólicas em casa e 10% estão usando mais táxis ou caronas quando saem e bebem.

Mesmo assim, 138 pessoas já foram multadas por estar dirigindo depois do consumo de bebida alcoólica. O total arrecadado já chega a R$ 132 mil. Mas os órgãos que realizam a fiscalização dizem que há mesmo uma aceitação, apesar da quantidade de autuações. “Isso é bem visível. As pessoas até pedem para fazer o teste do bafômetro”, afirma Pedro Forte, gerente de fiscalização do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Segundo ele, os poucos que são contra são aqueles que ainda não mudaram o costume de beber e dirigir depois. “Vai melhorar cada vez mais. As pessoas vão se acostumando, é uma questão de tempo. A gente percebe que nem sempre é por causa da multa, mas também pela consciência”, completa.

O presidente da Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e Cidadania (AMC), Flávio Patrício, ainda acredita que falta mais conscientização. “As pessoas ainda estão falando muito apenas no valor da multa. Essa parte da consciência do perigo de arriscar vidas ainda precisa mudar”. O coronel Werisleik Matias, comandante da Companhia de Policiamento Rodoviário (CPRv), pensa diferente. “O povo apóia na íntegra a Lei Seca. Muitos acham que a punição é branda. E as pessoas deixaram de dirigir depois de beber tanto pelo valor da multa, como pela consciência”

Para o inspetor Darlan Antares, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o comportamento da maioria das pessoas já mudou. “Quem bebe acaba pedindo para a mulher ou o filho dirigir. E, além disso, é muito raro encontrar um motorista mais agressivo, que não quer fazer o teste”. Contratada com exclusividade pelo O POVO, a pesquisa Datafolha tem margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, considerado um nível de confiança de 95%. Isso significa que, se a pesquisa for realizada cem vezes com a mesma metodologia, em 95 delas a margem de erro ficaria dentro da margem prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) com o número 64093/2008.

SAIBA MAIS

A Lei Seca tem o nome oficial de Lei da Alcoolemia Zero. É federal, tem o número 11.705 e entrou em vigor dia 20 de junho deste ano.

No total, 138 pessoas já foram multadas por estarem dirigindo depois de terem consumido bebida alcoólica. O total arrecadado em multas já chega a R$ 132.066,00.

O Detran trabalha com 10 bafômetros e aguarda licitação para a compra de mais 20. Já autuou 57 pessoas dirigindo após ingerir álcool. Delas, 30 foram encaminhadas a delegacias para a realização do flagrante.

A Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de cidadania (AMC) tem um bafômetro, mas pretende comprar mais dois. Não realizou ainda nenhuma blitz, mas multou 36 pessoas que estavam envolvidas em acidentes de trânsito.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) tem oito bafômetros. Foram notificadas 24 pessoas. Dessas, dez foram presas. Já a Companhia de Policiamento Rodoviário (CPRv), realizou 21 autuações.

O motorista flagrado com qualquer teor de álcool comete infração gravíssima, com multa de R$ 957,00. A carteira de habilitação é apreendida e ele perde o direito de dirigir por um ano.

Quem tiver a partir de 0,6 decigramas de álcool por litro de sangue no organismo é encaminhado à delegacia e pode ter detenção de seis meses a três anos.

NÚMEROS

Sobre a Lei Seca

95%- aprovam
4%- são contra
1%- se declararam indiferentes
94%- dos que costumam beber são a favor
95%- dos que não bebem são a favor
92%- dos que bebem em bares ou restaurantes são a favor
7%- dos que bebem em bares ou restaurantes são contra
96%- têm conhecimento da lei
61%- se dizem bem informados
31%- se dizem mal informados
4%- não têm conhecimento da lei
36%- dos que costumam beber e dirigem afirmam ter deixado de tomar bebidas alcoólicas quando vão assumir o volante
32%- declaram que já não costumavam tomar bebidas alcoólicas quando iam dirigir
13%- disseram ter passado a beber em casa e a sair menos
10%- passaram a usar mais táxis ou pegar carona em passeios nos quais consomem bebidas alcoólicas