O pedágio ambiental de Bombinhas volta a ser cobrado a partir da 0h desta quinta-feira, 15 de novembro. A cobrança reinicia com novidades como a inclusão do Sem Parar, que debitará a taxa automaticamente para os motoristas inscritos, e de um aplicativo para pagamento remoto. As medidas deverão ter como efeito a redução das filas que se formam na entrada da cidade, todo verão.

Para quem preferir pagar pelo celular, o aplicativo estará disponível a partir do reinício da cobrança. Pela primeira vez, o pagamento adiantado também poderá ser feito pelos estrangeiros, que terão que mostrar o comprovante na entrada da cidade. Como a maioria das filas é formada por veículos que vêm do exterior, que precisavam pagar a taxa na chegada a Bombinhas, a tendência é que a medida ajude a reduzir os congestionamentos.

A prefeitura também instalou no posto da Taxa de Preservação Ambiental (TPA), na entrada da cidade, três terminais eletrônicos de pagamento e ponto de internet wi-fi gratuita para o motorista que quiser acessar o site ou o aplicativo e efetuar o pagamento.

As medidas também servirão para reduzir a inadimplência, que beira os 50%. Este ano, após firmar acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran)_ a cidade foi a primeira no país a ter acesso a dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) _ a prefeitura passou a enviar a cobrança para a casa dos devedores, o que tem trazido resultado na recuperação de receita. Foram notificados até agora 198.927 motoristas, que injetaram no caixa da prefeitura pouco mais de R$ 2 milhões nos últimos meses.

Controle de gastos

Segundo dados do Portal da Transparência, o pedágio arrecadou este ano R$ 7,8 milhões. A prefeitura informou que a maior parte do dinheiro é investida em ações como limpeza das praias, instalação de banheiros e chuveiros, lixeiras, controle de balneabilidade e manutenção de trilhas. As decisões sobre a aplicação dos recursos agora estão sob responsabilidade de um Conselho Gestor. Um dos projetos futuros é a despoluição dos rios.

A manutenção do sistema, no entanto, ainda tem forte impacto sobre a arrecadação da TPA. Levantamento feito pela coluna aponta que os gastos com o Consórcio TD, que administra a leitura de placas e emissão das taxas, chegou a R$ 9,5 milhões desde 2015, quando iniciou a cobrança.

Este ano o contrato com a empresa recebeu um novo aditivo de prazo, e seguirá valendo até o fim do período de cobrança. O prefeito Paulo Henrique Müller (PTB) disse, nesta quarta-feira, que conseguiu renegociar valores e reduziu o custo para cerca de R$ 1,7 milhão ao ano. Mas ainda busca outras maneiras de diminuir o peso que o sistema tem sobre a arrecadação.

A cobrança do pedágio ambiental de Bombinhas segue até 15 de abril do ano que vem. A lei que regulamentou a TPA prevê que ela seja paga somente no período de maior movimento, mas pode haver mudanças. O prefeito informou que há intenção de reduzir o período de cobrança, passando a iniciar em 1º de dezembro.

_ É um pedido dos empresários. Este ano, em período eleitoral, não tem como fazer. Mas estamos dispostos a fazer a alteração para o ano que vem.

Quanto custa o pedágio

Moto – R$ 3

Carro – R$ 26,50

Caminhonete – R$ 39,90

Van – R$ 53

Caminhão – R$ 79

Ônibus – R$ 133

Como pagar

Aplicativo de celular

Sem Parar

Internet (site da TPA)

Terminal de pagamento

Pontos de cobrança espalhados pela cidade, oficiais e em comércios

Fonte: www.nsctotal.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui