O governador Geraldo Alckmin visitou ontem, quinta-feira, 19, em Suzano, a obra do encontro leve estruturado no Trecho Leste do Rodoanel, um viaduto que está sendo construído sobre as várzeas dos rios Tietê e Guaió. Na ocasião, foi apresentado ao governador o Cantitravel, máquina que permite que as estacas de sustentação do viaduto sejam cravadas de forma aérea, sem necessidade de contato com o solo. É a primeira vez no Brasil que o equipamento, geralmente utilizado em obras portuárias, entrará em operação na construção de uma rodovia.

“Estamos evitando a transferência do equivalente a dois Maracanãs de terra, o que preserva o meio ambiente e nos ajuda a ganhar tempo nas obras. São 12 km de via suspensa, sem impactar o solo e as várzeas”, afirmou o governador. “O Rodoanel é importante porque tira o trânsito de passagem de São Paulo, melhorando a logística, além de promover o emprego e o desenvolvimento e ligar o maior aeroporto do país, que é Cumbica, ao maior porto do país, que é o Santos”, completa.

A utilização do Cantitravel foi a solução encontrada para reduzir ao máximo o impacto ambiental da obra nas várzeas dos rios. Nesse trecho, as pistas serão suspensas, e o uso do equipamento evitará o deslocamento de 4,5 milhões de m³ de terra – equivalente a dois estádios do Maracanã cheios. Essa será a etapa mais sensível do ponto de vista ambiental da construção do Trecho Leste, uma vez que a área de várzea costuma receber as cheias dos rios. Com essa tecnologia, praticamente não haverá impacto ambiental na construção dos 8,8 quilômetros do encontro leve. Como complemento do trecho de encontro leve serão feitos dois viadutos que irão atravessar as rodovias Henrique Eroles e a Ayrton Sena, totalizando 12 quilômetros de extensão – será a maior ponte do Estado de São Paulo e a segunda maior do país, perdendo apenas para a Ponte Rio Niterói com 13 quilômetros de extensão.

O investimento na implantação dos 8,8 quilômetros de pistas elevadas será de R$ 380 milhões. Ao todo, serão investidos R$ 2,8 bilhões (valor de referência de 2008) para a construção do Trecho Leste do Rodoanel, a ser concluído em março de 2014. A metodologia empregada na obra do encontro leve também reduziu em mais de um ano (14 meses) o tempo de execução da obra.

A operação com o Cantitravel também tem a vantagem de restringir o contato das equipes de trabalho com as áreas de preservação. Pelo sistema convencional, seriam necessárias dragagem, escavações ou aterros para a execução dos blocos de fundação e, a partir daí, os pilares e a estrutura seriam erguidos. Com a metodologia empregada, essas intervenções são dispensadas. A estaca é o próprio pilar do viaduto.

O canteiro de obras do encontro leve estruturado está em Suzano. No local, desde novembro de 2011 são produzidas as 8.640 vigas de concreto e 2.880 estacas necessárias para a construção do dispositivo.

Cantitravel

O principal elemento dessa construção é o Cantitravel, uma tecnologia portuária que, pela primeira vez no Brasil, foi adaptada para construir uma rodovia. Esse é o principal desafio, já que no porto a obra tem acesso por terra e por mar, o que não ocorre no caso do Rodoanel.

Outra diferença está nas dimensões e nas características do traçado: num píer, a ponte é linear e caminha na mesma direção. No Rodoanel, a ponte vai acompanhar a topografia do terreno em termos de elevações e seguirá por trechos curvos. Além disso, haverá também restrições de velocidade, vento, curvas verticais e horizontais e elevações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui