MORTES NAS BRS: Ocorrência na BR-135 é um dos registros que contribuíram para o balanço final de 106 mortes no feriado de carnaval 2022 nas rodovias federais. Fotos: Divulgação/PRF

De acordo com o balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF), número de feridos chegou a 1.298 em seis dias da operação especial

As rodovias federais tiveram 1.160 acidentes (sinistros), 106 mortos e 1.298 feridos em seis dias da Operação Carnaval 2022, de acordo com o balanço oficial da Polícia Rodoviária Federal (PRF), divulgado na manhã desta quinta-feira (3).

Se comparado com 2021, houve crescimento no número de sinistros, mortes e feridos. Em 2021, foram 789 ocorrências com 77 mortes e 1.020 feridos.

De acordo com o inspetor Azevedo, coordenador geral de Segurança Viária da PRF, o comportamento dos usuários reflete bem os resultados da operação. “A movimentação neste carnaval foi mais intensa e ficou difusa. O fator humano contribuiu com mais 90% das ocorrências”.

Além disso, segundo o inspetor, a travessia de pedestres em locais inapropriados, o uso do álcool e as ultrapassagens indevidas foram os grandes responsáveis pelos sinistros, neste carnaval.

Excesso de velocidade “ignorado”

Entretanto, como ocorreu nos últimos dois anos, a PRF deixou de mencionar os números referentes à fiscalização de condutores em excesso de velocidade, outro fator que contribui significativamente para a ocorrência de sinistros graves com mortes.

Segundo o balanço, os policiais fiscalizaram 165.319 pessoas, 132.931 veículos e realizaram 78.958 testes de bafômetro, sendo que 2.554 condutores foram autuados por dirigirem bêbados. A cada 31 testes, um condutor foi flagrado dirigindo sob o efeito de álcool; sendo que 215 condutores foram presos em flagrantes e, a cada 367 testes, um foi preso e levado para a Delegacia de Polícia.

Além disso, outros 8.296 motoristas foram multados por não usarem o cinto de segurança, e 10.921 condutores foram autuados por realizarem ultrapassagens perigosas.

Ainda que boa parte seja evitável, os sinistros seguem como um dos principais causadores de mortes em todo o mundo. Além do álcool, o excesso de velocidade está como um dos principais causadores de sinistros com mortes ou feridos graves com sequelas, muitas vezes permanentes.

Entretanto, desde abril de 2019, a PRF deixou de fiscalizar os condutores nas rodovias federais que abusam da velocidade. Historicamente, a Corporação sempre atuou com rigor no combate a esse tipo de infração. Mas, nos últimos anos, deixou de fiscalizar.

BONS TEMPOS: Foi-se o tempo em que os inspetores da PRF fiscalizam – com rigor – os condutores apressadinhos. Desde abril de 2019, a PRF não fiscaliza mais os que abusam da velocidade nas rodovias federais do País.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui