O sistema de agendamento da chegada de caminhões aos terminais de granéis vegetais no Porto de Santos está funcionando, porém precisa de melhoria continuada de forma a mitigar problemas urbanos durante o escoamento da safra 2013/2014, avaliou, nesta segunda-feira (24/02), o ministro da Secretaria de Portos, Antonio Henrique Silveira após reunião no Ministério dos Transportes, com  as presenças dos ministros da Agricultura, Antônio Andrade, e dos Transportes, César Borges.

No encontro, foram discutidos os ajustes necessários no sistema implantado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) para evitar a formação de filas ao logo das vias de acesso ao porto durante o escoamento da safra.“O ajuste é necessário”, disse Silveira, principalmente no que se refere ao cumprimento da janela de seis horas estabelecida para a chegada de caminhões nos pátios reguladores, onde os veículos permanecem antes de serem encaminhados para os terminais.  Existem hoje dois pátios que estão em operação na Baixada Santista (Rodopark e Ecopátio) e na próxima semana um novo pátio privado entrará em operação no Planalto, na região de Sumaré.

“Nesses pátios,  os caminhões têm uma janela de seis horas que está sendo desrespeitada. Essa é uma gestão que temos que fazer”, disse o ministro a jornalistas antes de participar da reunião sobre o agendamento.No encontro, Silveira afirmou que a fiscalização dos terminais que estão recebendo caminhões sem agendamento está sendo intensificada. “Já foram emitidas quatro multas, no valor total de R$ 300 mil reais, e, antes das multas, três notificações”.  O ministro disse ainda que foi montado um esquema de plantão da SEP, da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que funciona 24 horas por dia.

“No Porto de Santos essa fiscalização nos permite ter números diários e essa reunião servirá para melhorar um desempenho  que já apresenta evolução em relação a quadros anteriores”, observou durante o encontro com produtores, tradings e transportadores.Ele informou que no início do mês, os postos de monitoramento que a ANTT montou ao longo das rodovias registrava um índice superior a 50% de caminhões não agendados e na última medição, realizada no final da semana passada, esse percentual caiu para 6%.

Para Silveira, o resultado pode a ser ainda mais eficiente quando os terminais passarem a agendar e a respeitar o agendamento dos veículos. “O fato de ter o agendamento não basta. Para despachar um caminhão, por exemplo, com dez dias de antecedência, tem que estar dentro de um prazo que atenda à janela de chegada”, reforçou.
O ministro disse também que é preciso melhorar o trabalho dos postos de verificação instalados ao longo das rodovias e integrar ainda mais as ações. “Temos que estabelecer regras de conduta com os terminais, com os embarcadores e com os transportadores para que a fluência seja a mais adequada possível”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui