REALIDADE: Levantamento inédito compara A violência no trânsito com a Covid-19. Foto: Reprodução/Internet

No Estado de São Paulo morreram por Covid-19, até o dia 02 de agosto, 23.317 pessoas, aproximadamente 25% do total do país. O Estradas.com.br comparou a faixa etária dos mortos pela doença com a de vítimas de trânsito e seus familiares que fizeram jus a 353. 232 indenizações  pagas por morte, invalidez permanente e/ou despesas médicas pelo DPVAT. A conclusão é que o trânsito é no mínimo dez vezes mais mortal para os jovens que a Covid-19.

Os maiores de 70 anos representam 52% do total das mortes da Covid-19 , enquanto vítimas de acidentes de trânsito, acima de 65 anos ,representam apenas 4,84%. O inverso ocorre quando analisamos os mais jovens. Vejamos alguns dados:

Violência no trânsito x Pandemia da Covid-19 

A Seguradora Líder, responsável pelo seguro, pagou 353.232 indenizações em 2019, sendo 40.721 por morte. Na tabela abaixo é possível perceber que 68,15% das indenizações pagas pelo DPVAT são para pessoas entre 18 e 44 anos. Já os com 65 anos ou mais representam 4,84%.

Perfil da mortalidade da COVID-19 em São Paulo

Considerando que o Estado de São Paulo representa 25% do total de vítimas fatais da Covid-19 no país, os óbitos estão concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 75% das mortes. Sendo que entre 20 e 49 anos, são 10,8%, contra os quase 70% de vítimas nos acidentes de trânsito em faixa etária semelhante (18-44).

O impacto da violência no trânsito entre jovens é muito alto, entretanto, na Covid-19 o total de vítimas fatais de 0 até 39 anos é de 988 casos. Portanto, 4,2% do total de óbitos da doença no estado de São Paulo, indício de que pode ser esta a média nacional. No trânsito, esse índice é de 50% considerando as indenizações pagas para 177.595 vítimas entre 0 e 34 anos.

O que demonstra que os acidentes de trânsito correspondem a mais de 11 vezes as vítimas jovens em relação as vítimas da Covid-19, o que afeta inclusive a capacidade produtiva do país. Sem querer entrar na questão da expectativa de vida, constatamos que os mortos por Covid-19 em São Paulo maiores de 70 anos representam 52% do total das mortes , enquanto as indenizações pagas pelo DPVAT para vítimas de acidentes de trânsito, acima de 65 anos, representam 4,84%.

Esses dados nos permitem estimar que o trânsito mata mais de 10 vezes os jovens, enquanto a Covid-19 mata mais de 10 vezes os idosos.

Mortalidade da Covid-19 por faixa etária

Na tabela abaixo é possível ver a mortalidade por faixa etária e percentual correspondente em relação ao total das mortes por Covid-19 no estado de São Paulo. Embora possa haver diferença a nível nacional, como São Paulo corresponde praticamente a 25% dos mortos pela pandemia no Brasil, é possível  estimar que essa seja a realidade do país.

           Fatalidade Covid-19 no Estado de São Paulo
IDADE(Anos) MORTOS Percentual
0 até 9 31 0,13%
10 até 19 41 0,17%
20 até 29 190 0,81%
30 até 39 726 3,11%
40 até 49 1.602 6,88%
50 até 59 3.232 13,87%
60 até 69 5.421 23,25%
70 até 79 5.795 24,85%
80 até 89 4.694 20,13%
mais de 90 1.585 6,80%
Total 23.317 100,00%
Fonte: Secretaria de Saude de SP
                   Estradas.com.br

Desconhecemos as razões da grande imprensa não dar destaque a esses dados que são tão importantes para compreender o impacto da Covid-19 mas , apesar de não ser o foco do nosso portal, resolvemos disponibilizar todos os dados e comparar com a realidade da “pandemia” do trânsito, conforme fizemos com os acidentes de motocicletas recentemente.

Os óbitos registrados em São Paulo apresentam comorbidade em 80% dos casos. Os principais fatores de risco associados à mortalidade são cardiopatia (58,7% dos óbitos), diabetes mellitus (43,4%), doenças neurológicas (11,1%) e renal (9,6%), pneumopatia (8,1%). Outros fatores identificados são obesidade (7,1%), imunodepressão (5,8%), asma (3,1%), doenças hepáticas (2,1%) e hematológica (1,9%), Síndrome de Down (0,5%), puerpério (0,1%) e gestação (0,1%). Esses fatores de risco foram identificados em 18.638 pessoas que faleceram por COVID-19 (79,9%).

É importante que a polarização e politização de informações fique em segundo plano. Informar com isenção deve ser prioridade. Afinal, assim como no trânsito estamos falando de vidas não de números.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui