O DNIT desenvolve, na duplicação da BR-101 Sul, um projeto que utiliza o gerenciamento ambiental como estratégia para educar, preservar e colaborar com a segurança de todos. Trata-se do plantio de vários tipos de arbustos e árvores nativas nas margens da rodovia que, além de embelezar a paisagem, e representar a contrapartida ambiental do empreendimento, pode contribuir para a prevenção de acidentes.

No trecho de 89 quilômetros no Rio Grande do Sul, onde a obra foi concluída, serão plantadas 9 mil mudas de espécies nativas e exóticas da flora apenas no canteiro central. O segmento entre Osório e Morro Alto é um dos exemplos de como a presença de arbustos e árvores pode ajudar a aumentar a segurança na rodovia. Desde o fim das obras, uma equipe multidisciplinar trabalha para colocar em prática um programa de paisagismo inovador, com um investimento de R$ 2,3 milhões.

Para cada ponto de atenção, foram selecionadas espécies específicas, chamativas e fáceis de diferenciar. A intenção, depois que a vegetação crescer, é que os motoristas associem as plantas a determinadas situações e redobrem os cuidados. Junto às paradas de ônibus, foram plantadas de três a quatro mudas de Ipê amarelo. Em três anos, elas se destacarão na paisagem. Com isso, o condutor saberá que, próximo ais ipês, sempre há um ponto de embarque e desembarque de passageiros, redobrando a atenção nesses locais.

Há alguns obstáculos para esse trabalho. Até o momento, constatou-se que algumas mudas têm sido depredadas, e até retiradas dos locais onde foram plantadas. Além desses problemas ligados à ação do homem, há os imprevistos próprios da natureza: alguns cultivos não vingam.

São cinco tipos de projetos paisagísticos, organizados da seguinte forma: nos locais com dispositivos de drenagem e passagens inferiores, serão plantados arbustos com floração de cores fortes nos taludes da faixa de domínio. Dessa forma, os arbustos vão se diferenciar da vegetação do terreno, e mostrar ao motorista a diferença de nível entre os dois planos.

A segunda intervenção acontecerá nos retornos. Árvores de copa compacta, plantadas em fila com espaçamento reduzido, ao longo da pista em curva mais aberta, em contraponto com uma espécie mais alta, com espaçamento maior, ao longo da outra pista, indicam, retorno e o lado da rodovia a que ele se aplica. Serão plantadas Paineiras e Manduiranas.

No canteiro central, as Caliandras vão impedir que os faróis dos carros no sentido contrário ofusquem a visão do motorista. Por fim, nos pontos de ônibus, além dos ipês também haverá Ingazeiros e Tibouchinas Serranas, com suas flores coloridas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui