GRAVE: Acidente grave na BR-470, em Foto: Divulgação

O balanço dos mortos e feridos, no Feriado da Independência, divulgado pela Polícia Rodoviária Federal, revela aumento brutal da gravidade dos acidentes nas rodovias federais. Apesar do menor tráfego de veículos registrados nas estradas, em função da Covid-19 e crise econômica foram 97 vítimas fatais nas rodovias federais.

Comparando 2020 com 2018, quando o feriado caiu numa sexta-feira e permitiu, como neste último, três dias para pegar a estrada, verificamos que este ano foram 933 acidentes contra os 820 de 2018, crescimento de 13,8%. Já os mortos passaram de 82 em 2018 para 97 em 2020, aumento de 18,2%. O feridos passaram de 1.037 em 2018 para 1.103 este ano.

Os números assustam, principalmente levando em consideração que a Covid-19 reduziu as atividades econômicas e o estímulo a viajar.

Mortos aumentam rodovias federais mas diminuem nas paulistas

Já os dados divulgados pela Polícia Militar Rodoviária de São Paulo, responsável pelas rodovias estaduais, são muito melhores. Comparando os anos de 2020 com 2018, as rodovias paulistas registraram redução de 21,25% dos acidentes, contra aumento de 13,80% nas rodovias federais, no feriado da Independência.

Os mortos nas rodovias paulistas caíram 22%, enquanto nas rodovias federais houve aumento de 18,20%. A diferença é menor no número de feridos, já que nas estaduais houve redução de 2,51% e nas federais aumento de 6,3%.Mais dados comparativos estão disponíveis nesta matéria.

Entretanto, fica evidente que a Polícia Militar Rodoviária de São Paulo está sendo mais eficiente na redução de vítimas nas estradas. Dentre as principais razões é a diferença na fiscalização do abuso da velocidade.

Fiscalização mais eficiente nas rodovias estaduais

Enquanto nas estaduais a fiscalização é intensa nas federais, desde abril do ano passado, foi aplicada uma política antiradar. A PRF precisa urgente mudar sua política sobre pena de que continuar aumentando os mortos e feridos. Inclusive faz parte das metas de segurança viária da ONU entre 2021 até 2030 reduzir em 50% a proporção dos motoristas que dirigem acima da velocidade permitida.

Vítimas precisam de mais informações sobre o DPVAT

Por fim, observamos no contato com vítimas de acidentes nas rodovias que muitos ficam completamente desorientados com relação ao DPVAT. Por isso, sugerimos que todas as polícias rodoviárias, bombeiros, equipes de resgate das concessionárias de rodovias, tenham disponível folheto com informações sobre este seguro que ampara as vítimas e seus familiares.

Assim, pelos menos evitarão de ser vítimas duas vezes, do acidente e da falta de informação que permite a alguns oportunistas enganarem essas pessoas e ficarem com o seguro que tem direito. Este é mais um lado triste dos acidentes no Brasil.

Ouça a versão em áudio do comentário do Coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui