Na Espanha, até helicópteros são usados para fiscalizar excesso de velocidade. Fotos: Divulgação

Em média, menos de 0,5% do universo de mais de 80 milhões de condutores é flagrado em excesso de velocidade nos radares fixos e portáteis em operação no Brasil. Essa é uma das conclusões do estudo: “Indústria da Multa ou Fábrica de Criminosos do Trânsito?” do SOS Estradas. O primeiro no gênero que compara a realidade brasileira com outros países numa linguagem acessível.

Como funciona na Europa

Na Espanha, a velocidade é fiscalizada com policiais que não estão visíveis, outros em veículos não identificados que multam em movimento. Até helicópteros são usados para punir os infratores.

Na França, uma empresa privada foi contratada para disponibilizar motoristas em sistema de rodízio para que a fiscalização das vias seja durante as 24 horas do dia, multando os infratores. Na Alemanha, aplicativos que informam a presença de radares são proibidos.

Na Suíça, motoristas podem pagar 200 mil euros de multa por excesso de velocidade, já que o valor da infração é compatível com sua renda. Na Dinamarca, condutores que trafeguem nas rodovias acima de 140km/h, além de multa, correm o risco de ficar sem a habilitação de 6 meses até 10 anos.

Meta mundial é reduzir abuso de velocidade á metade até 2030

Até 2030, a meta número 6 da Década Mundial de Segurança Viária é reduzir à metade a proporção de veículos trafegando acima do limite de velocidade e com isso reduzir as mortes e lesões no trânsito.

Dia 17 de maio, a ONU lança a campanha Streets for life #Love30”. O objetivo é estimular a redução do limite de velocidade nas vias urbanas com grande circulação de pedestres para 30km/h e aumentar para 95% a chance de sobrevivência no caso de atropelamento.

Estudo da ONU revela que 5% de diminuição da velocidade média pode representar 30% na redução dos acidentes fatais. A simples redução de 3,7km/h na Suécia, baixando a velocidade média de 87,7km/h para 84km/h, reduziu a mortalidade nos acidentes em 41%.

Na Noruega, a diminuição da velocidade média de 85,1km/h para 83,2km/h reduziu em 22% as mortes nos acidentes. Na Alemanha, foram obtidos resultados semelhantes e na França, a redução da velo­cidade média em 9km/h nas rodovias de pista simples, contribuiu com queda em 31% das mortes.

Brasil reduz fiscalização e facilita a impunidade

Já no Brasil, desde abril de 2019, o governo federal iniciou uma política de desligamento de radares e chegou a deixar a Polícia Rodoviária Federal sem os portáteis. Naquele ano, as mortes aumentaram em média 15% ao mês nas rodovias federais, comparando com o mesmo período de 2018.

As multas por excesso de velocidade nas rodovias federais, aplicadas pela PRF, caíram de 2.345.158 em 2018 para 1.446.344 em 2019 e 392.397 em 2020, quando comparamos as rodovias federais com as estaduais de São Paulo. A falta de fiscalização teve impacto mortal.

Apesar da queda do movimento nas rodovias em todo país, estimado em cerca de 15% em 2020, por conta da pandemia, a Polícia Militar Rodoviária de São Paulo fiscalizou com mais rigor os abusos de velocidade, mais frequentes devido às pistas vazias. Já a PRF, reduziu em mais de 70% a sua atuação na fiscalização.

O resultado foi que São Paulo conseguiu reduzir as mortes em 10%, próximo da queda do movimento, enquanto as rodovias federais não registraram quase nenhuma redução. Nas rodovias federais foi como se a pandemia não existisse, o número de mortos foi o praticamente o mesmo de 2019.

Redução da fiscalização de velocidade nas rodovias federais pode explicar redução insignificante de mortos em 2020
Resolução sem fundamento técnico colocou vidas em risco

Em 1º de novembro de 2020, véspera do Dia de Finados, entrou em vigor a Resolução 798 do Contran, que determina que a localização de todos os trechos com radares portáteis precisa ser indicada no site do órgão de trânsito, além da necessidade de estudo que justifique sua presença.

Além disso, esses equipamentos de controle de velocidade têm que estar visíveis e devem ser operados por agente de trânsito. A medida foi imposta a todo o país, sem fundamentação técnica que a justificasse, tornando a política da impunidade da velocidade, antes restrita as rodovias federais, agora de caráter nacional.

Com isso, os infratores e potenciais criminosos do trânsito sabem exatamente onde pode ter fiscalização. Graças a garantia dessa informação, proliferam nas mídias sociais, em particular no YouTube, jovens que postam vídeos com rachas ou simplesmente trafegando em velocidades de autódromo, sem contar os que deitam em motos a 200km/h. Pior ainda, são remunerados por isso, graças aos anúncios veiculados nos seus canais pelo Google/YouTube.

A sensação de impunidade está causando mortes e já representou aumento de vítimas fatais nas rodovias federais, considerando a queda do movimento nas estradas devido à pandemia. Para compensar a retirada de radares, o DNIT está instalando lombadas em rodovias federais, medida que, na verdade, tem causado acidentes dramáticos.

Vítimas de trânsito inclusive organizam manifestações pedindo a volta dos radares ou indicando os trechos perigosos com faixas, como a ação organizada pela entidade “Somos Todos Vítimas da BR-265”. Com a presença de radares, o número de acidentes fatais praticamente zerou; com o desligamento dos equipamentos, várias pessoas morreram já na primeira semana.

Na avaliação do coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto, responsável pelo estudo, o trabalho coloca por terra a tese de que temos uma indústria da multa. “Nosso problema é a impunidade, a fábrica de infratores e potenciais assassinos, estimulada pelo próprio governo federal com a Resolução 798 e desligamento de radares. É preciso rever urgente essa norma e a política de gestão de velocidade. Indicar os radares fixos é absolutamente normal, mas informar onde estão os portáteis é como avisar o criminoso onde tem polícia.”

Estamos no Maio Amarelo, mês dedicado a segurança viária. Apesar da importância da iniciativa, o fato concreto é que os potenciais assassinos do trânsito ganharam pista livre para a impunidade, conforme revela o vídeo a seguir, com imagens postadas pelos próprios infratores este mês. Com exceção do último que foi registrado anteriormente na implantação de nova lombada pelo DNIT.

Estes e outros dados estão disponíveis no estudo do SOS Estradas. Os interessados em ter acesso ao trabalho poderão recebê-lo, gratuitamente, após análise do SOS Estradas. Basta enviar e-mail para sos@estradas.com.br identificando-se e informando o órgão de governo, veículo de comunicação, entidade ou empresa na qual trabalha. O título do e-mail deve ser :Quero o estudo INDÚSTRIA DA MULTA OU FÁBRICA DE CRIMINOSOS DO TRÂNSITO?

Quem é o SOS Estradas?

Programa de redução de acidentes nas rodovias do portal Estradas.com.br, criado no ano 2.000. Reúne vários especialistas que dedicam um pouco do seu tempo em ajudar com ideias simples que ajudem a aumentar a segurança viária. Todos pro bono, ou seja, trabalham pelo bem público sem remuneração.

59 COMENTÁRIOS

    • Mais um grupo esquerdista, que se apoia estudo tirado de cartola de magico de circo de 5a categoria.
      O Brasil precisa é mudar a forma de emitir CNH ( comprada). Radar é mais uma forma de roubar o povo. Basta passar pelo Estado podre que é São Paulo.

      • Temos grande respeito pelo circo, não importa a categoria. Mas fora dele tem muitos candidatos a mágico que não tem argumento técnico, estatísticas que fundamentem suas teses. Sua única arma é tentar detratar quem faz o trabalho sério. Com 21 anos de portal, temos inúmeras matérias es estudos, mostrando os erros cometidos por todos os governos e grupos políticos dominantes nos estados e na esfera federal. Assim como valorizamos as boas iniciativas, divulgamos as obras realizadas. Você afirma que a CNH é comprada, onde fez sua denúncia ou comprou a sua? Temos 28 anos de atuação em defesa da vida, atuando junto com entidades de vítimas de trânsito e jamais perguntamos a posição política das vítimas ou seus familiares. Muitas vezes, num mesmo veículo, com membros da mesma família, morrem pessoas com posições políticas distintas. Infelizmente, há quem queira politiza tudo e coloca o tema acima da preservação da vida. Naturalmente, que estão do mesmo lado dos infratores contumazes que o vídeo revela. Potenciais assassinos.

        • Ótima resposta! Esse pessoal que diz que tudo é “mi mi mi” se distanciam de muita coisa de 1o. mundo sem notar. Sem falar que politizam o tempo todo e enxergam esquerdista em tudo! Parabéns pelo trabalho e levantamento de dados.

  1. Não acredito em uma palavra que este site diz, a indústria da multa é das lombada eletrônicas é uma realidade no Brasil e não diminue em nada a mortalidade, o que deveria ser feito é que as lombada eletrônicas tenham um padrão de velocidade, exemplo vc vem em uma pista dupla a 100km/h de repente do nada tem uma lombada eletrônica de 60km, e pasmem só tem mato em volta nada que justifique a baixa abrupta de velocidade a não ser roubar dinheiro do povo brasileiro.
    Que se tome a CNH de quem dirige sob efeito de droga, álcool, fazendo racha, mas generalizam e todos pagam mais esse tributo para os governos ladrões estaduais e municipais.
    O problema não é a velocidade o problema é a justiça que no Brasil não funciona e é em uma boa parte, corrupta e aceita suborno.
    Esses bandidos na direção que matam sempre estão soltos e dirigindo novamente.

    • Você poderia apresentar algum estudo que fundamente sua tese? Nós procuramos dados e informações no Brasil e exterior. Falar é fácil, estudar o tema é que dá trabalho. Portanto, você não acredita em uma palavra do que dissemos, então, por que iremos acreditar no que você diz, quando sequer apresenta estudos, estatísticas, dados que o fundamente?

  2. Controle de buracos que acabam com os carros vcs não fazem! Já controle de velocidade que gera multinhas pros amiguinhos ….

  3. É indústria de multas sim, deveriam limitar a velocidade nos carros, porque um veículo é fabricado para andar a 200 km/hora de a velocidade máxima permitida no país é 110 km/hora? Porque se limitar, acabam as multas que engordam os cofres públicos e o bolso dos corruptos.

    • É mais fácil respeitar o limite de velocidade. Na terra da Ferrari não existe trecho acima de 130km/h. Mas os multados sempre falam que existe indústria da multa, já as vítimas dos criminosos do trânsito, conhecem bem a fábrica de infratores e assassinos que circulam nas nossas vias urbanas e rodovias.

  4. Sou motorista EAR, estou em constantes viagens e vejo muito abuso de velocidade, mas também vejo alguns radares fixos cujo limite não está condizente com a realidade da via, por exemplo na BR 282 tem trechos com a velocidade limitada a 40 km/h sem que seja necessário. Um estudo melhor deveria ser feito, em contrapartida há os abusos que deveriam ser melhor fiscalizados.

    • Caro Sidnei, o limite da rodovia é baseado em critérios técnicos como traçado, volume de veículos circulando. A tendência mundial é redução dos limites de velocidade. O problema é que embora existam locais onde pode ocorrer um aumento do limite ou redução, o número de infratores está crescendo porque todos os radares, fixos ou portáteis, em todo território nacional, tem que ser indicados e baseados em estudos. Então, por exemplo, nas rodovias federais a fiscalização está restrita a 5% da malha rodoviária e os infratores e potenciais assassinos sabem onde está o equipamento. Caso um policial que esteja com o radar portátil seja surpreendido por vários veículos passando a 200km/h, ele só poderá multar caso tenha um estudo sobre o trecho e esteja divulgado no site do órgão. Caso contrário será considerado abuso de autoridade. Isto não ocorre em nenhum país sério.

    • Multa pesada para os infratores do trânsito se eu foce presidente quem anda com excesso de velocidade e desobedece as leis de trasito deveria perder o carrro simplês assim o Bassileiro e o ser o humano nem com didas duras aprende . Tem que ser na força mesmo.

      • O cara não sabe nem escrever, quanto mais ser presidente…
        Bom, já elegemos um analfabeto uma vez, talvez o eleitor seja atraído por burrice

  5. Por quê ao invés de apenas julgar os motoristas vcs não questionam também as montadoras de veículos e suas tecnologias , não questionam pedestres e suas respectivas condutas , prefeituras e seus respectivos planejamentos viários e para educação do trânsito nas escolas …
    Aquele que não sabe ser um bom pedestre , jamais será um bom motorista .

    • Bom, em 2003 publicamos o livro: “Recall- o que as montadoras não contam”, portanto, ninguém investigou mais as montadoras do que nós. Publicamos inúmeros estudos ao longo dos anos. Todos sem custo nenhum para a sociedade, bancados com nosso trabalho, sem nenhum apoio financeiro. São mais de 100 mil páginas de conteúdo em 20 anos de portal, serviço gratuito e sequer temos publicidade. É fácil falar, difícil é fazer. Estamos aqui até hoje porque fazemos parte de entidade de vítimas e lutamos para que menos pessoas percam a vida nas nossas estradas. Portanto, ao invés de nos julgar colabore sendo um bom pedestre, motorista ou motociclista. Porque seu e-mail rodrigomatacachorro@… sinceramente não nos deixa nada tranquilos.

  6. No Brasil colocam um radar de 40 km/h em via de 110km/h, é muito fácil impor regrinhas quando os políticos voam de helicóptero e o povo se ferra andando a 30 em via de 80. Chega de industria de multa e de sem vergonha no poder.

    • Boa parte das pessoas que morrem nas rodovias são pedestres. Portanto, é preciso pensar nos mais frágeis e não somente na velocidade que os motoristas querem dirigir. Quanto a indústria da multa, argumento muito utilizado por quem já foi multado por excesso de velocidade, perguntamos: A média dos motoristas multados que passam por radares varia entre 0,1% e 0,5%. Onde está a indústria da multa que pega 1 motorista em cada mil ou no máximo cinco? Poderia apresentar algum dado estatístico oficial. Não vale como fonte a “associação dos infratores”.

  7. Estudo comparativo entre Brasil e Europa, é no mínimo sem sentido. Veja as estradas alemãs, francesas e suas condições. No Brasil as estradas são ruins, mal sinalizadas, pedágios caros, sem fiscalização educativa. Enfim, temos estradas e os Governos exploram como querem. Industria da multa existe sim. Pq uma rodovia com limite de 110km/h de repente baixa pra 40? Pq não existem passarelas nesses locais? Desculpe, mas o estudo está mal direcionado. Colocando culpa somente no motorista.

    • Não existe fiscalização educativa. A lei tem que ser cumprida e os riscos são muito maiores de trafegar a 200km/h numa rodovia brasileira de pista simples e asfalto precário, que na Europa. A diferença de outros países é que punir é considerada uma forma de educar. O motorista conhece as leis não precisa ser educado sobre elas, caso contrário não poderia ter acesso a habilitação. Quanto a sua pergunta sobre as passarelas, fizemos quando o governo federal desligou os radares em rodovias em que pessoas moram de um lado da pista, estudam do outro, atravessam diariamente para ir ao trabalho, médico, compras, etc… Essas pessoas foram abandonadas a própria sorte. A principal avenida do interior é a rodovia. Agora, retirar radares, desligar lombadas eletrônicas e não dar condições as pessoas de atravessar com segurança, é assumir a responsabilidade pelas mortes.

  8. A proposta então é copiar o que de PIOR EXISTE NO RESTO DO MUNDO? Qual o sentido, senão o simples desejo de arrecadar sem limites, do que a matéria descreve? Isso é um verdadeiro absurdo, UM ROUBO AO CONTRIBUINTE que já paga impostos excessivos sem QUALQUER RETORNO.

    • A proposta é justamente copiar o que existe de bom. Já que o pior nós praticamos. Por isso que a impunidade impera. Como somos ligados a entidades de vítimas nosso foco é evitar a perda injustificada de vidas, estimulada pela impunidade. Naturalmente que muitos que foram flagrados e multados reclamam e atribuem qualquer tentativa de controle a objetivos arrecadatórios. Mas quando morre um familiar , devido aos criminosos do trânsito, querem punição exemplar.

  9. Aumentar o tempo que levamos para ir de A até B, o consumo, o gasto e a arrecadação de impostos, por causa de algumas pessoas descuidadas, seja um motorista que não sabe acelerar um pouco mais sem colocar em risco os outros, ou um pedestre que não sabe a hora e lugar certo de atravessar uma via.

    • Mais de 95% dos condutores respeitam os limites de velocidade. Portanto, o problema é que criaram condições para que os 5% , que colocam em risco a vida dos demais, andando em velocidades absurdas possam trafegar sem serem punidos. Praticar crimes de trânsito, cometer centenas de infrações por ano sem serem punidos. Estamos combatendo a impunidade das exceções.

  10. Boa noite

    Já que a redação tá respondendo gostaria e sugerir um estudo para vocês publicarem.
    Quantos % desses acidentes fatais os motoristas estavam sobre influência de álcool ou outras drogas, lembrando que uma grande maioria foge da cena do crime pra não ser pego.

  11. E uma indústria de multa sim na minha região policiais , ficavam em retas esperando alguém passar um pouco acima do limite pra multar.
    Em uma reta que antigamente tinha um posto agora desativado em frente a sinalização era continua , e bem apagada ficavam la esperando alguém fazer ultrapassagem pra multar e uma vergonha.
    Deveria fazer estudo pra duplicar as rodovias pra não ter que andar a 40 km/h atrás de caminhões lentos que na primeira oportunidade fazem ultrapassagem irregular colocando a vida de todos em risco.

  12. Ok
    Apenas sugeri pra vcs publicarem também, mas se isso não é do interesse de vcs não tem problema.
    Tem que diminuir a média de velocidade? Sim!
    O governo está errado em não apresentar um plano pra reduzir isso? Sim!
    A indústria da multa não existe ou existia? Faça-me um favor né, e claro que e existe!

    • Nosso trabalho é feito com muito sacrifício e sem receita. Os recursos para manter o SOS Estradas sai do bolso dos colaboradores, assim como os estudos que são realizados. Por isso, procuramos apresentar estudos inéditos e não abordar temas que já foram exaustivamente apresentados em outros estudos, com muito mais recursos e pessoas envolvidas.

  13. Vamos aos fatos. Existe abuso de velocidade sim por alguns motoristas, porém os governos não fazem sua contrapartida que é oferecer rodovias seguras, bem-feitas dentro dos protocolos de engenharia e bem sinalizadas para os motoristas. Dessa forma fica difícil cobrar dos motoristas um comportamento mais rigoroso já que eles já são submetidos a extremo stress em vias, que na sua maioria, são vergonhosas e resultado de esquemas bilionários de corrupção e superfaturamento. Indústria da multa existe demais SIM e o sistema corrupto em todos os níveis governamentais apenas estimula o ambiente extremamente insalubre das vias brasileiras. Deveríamos ter vias rápidas, bem pavimentadas e bem niveladas para que os motoristas sejam minimamente compensados já pelos preços absurdos dos automóveis, combustível e tudo que envolve o transporte. Então, minha opinião, o governo está CERTO em atacar a indústria da multa e que primeiro ele faça sua parte antes de maltratar ainda mais os motoristas.

    • Não temos sistema de saúde decente para atender as vítimas de acidentes e da Covid-19. O resultado da política do governo foi aumento de 15% na média mensal de mortos nas rodovias federais com medidas como a Resolução 798 e desligamento de radares. Portanto, quando fala em indústria da multa ninguém mostra os números. Nós provamos com dados oficiais que o número de multados nos locais onde tem fiscalização é de 0,1% até 0,5% , conforme o tipo de fiscalização. Assim como mostramos o aumento de mortes nas rodovias federais com dados oficiais. Esses são os fatos.

  14. Nunca fui parado no posto da PRF de Cristalina e isso, porque viajo pra MG tem 22 anos, cerca de pelo menos 6vezes por ano. Então seriam 12 vezes passando pelo mesmo posto de Cristalina.
    Certa vez, eu e meu irmão, recebemos a mesma multa, com os mesmos dizeres: velocidade acima da permitida. Isto em frente ao posto. E ainda diziam mais: não o abordamos, porque estávamos atendendo a outros veiculos. Cara, nunca fiquei tão indignado com essa PRF! Não tinha e nunca vi nenhum policial fiscalizando lá. Não saem do seu postinho! Se existe ou não uma indústria de multas, realmente não tenho gabarito para falar, mas que fui multado de forma totalmente absurda, isso fui! Sem contar que para chegar ao posto, você passa por dois quebra-molas em frente ao posto.

    • Reclamações sobre a PRF podem ser feitas para a Ouvidoria. Você fez? Nesses 22 anos, quantos motoristas passaram por você em excesso de velocidade? Quantos fizeram ultrapassagem em local proibido? Por que fazem isso? Impunidade. É essa a razão. Ao mesmo tempo, todos que são multados se consideram injustiçados. O sistema é tão favorável aos infratores que tem três estancias para recorrer. Agora, com a política atual é impossível multar por excesso de velocidade qualquer infrator contumaz, porque eles são alertados, por determinação do governo, onde poderá ter fiscalização. Tanto que o vídeo mostra imagens de infratores que veiculam três vídeos por dia. Portanto, praticam milhares de infrações por ano (além das que não filmam) e estão impunes. Onde está a famigerada indústria da multa que não pega esses caras? Já que mencionou lombadas físicas, agora o DNIT está instalando várias dessas onde tinha lombadas eletrônicas ou radares fixos. Causando acidentes graves, já que os motoristas são surpreendidos por lombadas mal sinalizadas e quando respeitam as mesmas ainda correm risco de colisão traseira dos que não prestam atenção na sinalização. Como aconteceu com a família na BR-316 no Pará em que morreram pai, mãe, duas crianças pequenas e uma adolescente, esmagadas por um caminhão que subiu em cima do carro em que estavam. O problema é que politizam tudo , até as mortes no trânsito. Nós somos ligados a entidade de vítimas e não queremos saber em quem votaram os que morreram. Estamos recebendo inúmeros comentários agressivos simplesmente porque levantamos uma realidade dramática, decorrente da política de impunidade aos abusos de velocidade. Temos 21 anos de portal, sem contar mais 7 de revista distribuídas nas estradas e 28 anos lutando em prol das vítimas e a favor da segurança viária. Apresentamos fatos positivos e apontamos, com fundamentação técnica, os erros cometidos por vários governos. Mas o fanatismo tomou conta do nosso país. Para cada 50 manifestações para defender o indefensável que já aumentou em 15% as mortes nas rodovias federais, aparece 1 pessoa para defender a segurança no trânsito. Esse é o Brasil, um país onde queremos o máximo rigor para com os outros e sempre nos consideramos injustiçados quando punidos.

  15. Eu li TODOS os comentários e vi que NINGUÉM concorda com os senhores.
    Isso não demonstra que a população brasileira está cansada de ser depenada pelas ” autoridades” de trânsito, entre outras, que emitem normas na “orelhada”, sem qualquer estudo técnico ou justificativa, apenas visando a arrecadação?
    Vejam a norma de uso de viseiras fechadas para motociclistas. Resolveram que uma pessoa andando a 5km/h será morta se atingida nos olhos por uma mosca! E, para evitar essa perda de vidas, cobram multas abusivas e privam o cidadão do direito de dirigir!
    A Alemanha dispõe de trechos de rodovia sem limite de velocidade. Em alguns estados norte americanos o motociclista escolhe se prefere usar capacete ou pagar um seguro. E apesar dessss “liberalidades” as mortes no trânsito não são tão alarmantes quanto por aqui.
    Senhores, pensem antes de aderir ao discurso reacionário de quem pensa que é o dono da verdade.

    • As decisões de orelhada foram para beneficiar os infratores. As consequências são 15% mais de mortos nas rodovias federais em 2019. https://estradas.com.br/media-de-mortos-nas-rodovias-federais-aumenta-15-com-politica-anti-radar-do-governo/ Quanto ao exemplo da Alemanha, é típico argumento de “orelhada”, pois naquele país foi aprovado, no final do ano passado que motoristas, nova lei que pune severamente motoristas que usem aplicativos que indiquem a presença de radares. Basta ver o vídeo da matéria, que fica evidente que esses infratores que andam em velocidade absurdas e postam na internet, são a prova de que não existe indústria da multa. Caso contrário estariam banidos do trânsito. Alguns deles cometem milhares de infrações por ano. Onde está essa tal indústria? Nós somos um portal de estradas, ligados a entidade de vítimas. Não temos nenhum benefício a não ser a preservação de vidas. Vai estudar o Manual da Gestão da Velocidade publicado pela ONU e Federação Internacional de Automobilismo para aprender algo sobre o tema. Por fim, o argumento arrecadatório é típico dos infratores.

    • Você cita a Alemanha mas omite que naquele país lei recente multa motorista que usar aplicativo que indique a presença de radares. Os infratores nos vídeos que mostramos, cujas imagens são divulgadas pelos próprios, cometem, cada um deles, centenas e até milhares de infrações por ano. Então a indústria da multa está trabalhando muito mal. A diferença é que nós apresentamos dados, estatísticas, normas que são aplicadas em outros países, já os que são contra a matéria, apenas argumentos vagos. Típicos dos que já foram multados.

  16. Obrigado a redação do SOS Estradas por responder os comentários que li acima. Aprendi muito, eu não tinha noção de tanta informação relevante. E vejo que o DNIT precisa muito de conversar com vocês, ouvir e atender as ideias.

  17. Educação no trânsito não depende só dos motoristas e sim de todos os usuários da via.
    Não adianta ficar colocando a culpa em a ou b o que prescisa é de melhoria nas vias passarelas para pedestres ciclovias . pontos de apoio área de descanso para motoristas de veículos de cargas.e acima de tudo se unirmos por um trânsito melhor.. respeito isso vai fazer a diferença.,

  18. Li boa parte dos comentários e vejo muito engajamento dos editores educar, parabéns pelo trabalho. Meu problema com a questão de trânsito está mais relacionada ao valores de documentação relacionados ao Detran, acho caro! E sinceramente as auto escolas que conheço oferecem mais um treinamento de circuito que educação em trânsito. Acredito que haja tanta queixa pq ninguém gosta de ser fiscalizado, mas não se pode questionar os números e vencer, na minha região os radares já voltaram a ativa e os acidentes começaram a diminuir novamente. Espero que dias melhores venham e parabéns pelo trabalho! Que dure muitos anos mais.

    • Obrigado, Anderson! O que nos impressiona é que muitos comentários são criticando o estudo. São raros os que comentam os criminosos a 250km/h numa rodovia, rachas em locais com limite de 30km/h, loucos deitados sobre motos competindo nas estradas, sem sequer capacete. Eles são a prova de que a impunidade impera. Caso a indústria da multa existisse como alegam na maioria dos comentários, todos esses infratores e potenciais assassinos dos vídeos estariam presos, com a CNH suspensa pelo resto da vida. Mas o silêncio sobre esses casos é compreensível. Os críticos que aparecem nessas horas não tem preocupação com a segurança viária. Caso contrário, comentariam esses absurdos. Mas sequer fazem referência e ainda politizam o tema. Solidariedade de infratores…..

      • Pois que almente efetivo para fiscalizar e não multar só com multa educa oi com suspensão da CNH e tirando estes louco de circulação hoje paga multa e tido bem por isso é industri e não fiscalização pois os inocente que trafega com velocidade controlada até o radar e ultrapassa e velocidade em 20% toma a multa o cara que tem um dispositivo que informa posição de radar pode se livrar da multa onde não tem radar chega a 200 km este sistema antigo não funciona

        • O que não funciona é impedir a autoridade de surpreender o infrator, conforme a Resolução 798 do Contran prevê. Graças a essa absurda norma, os infratores devem ser avisados onde pode ter fiscalização surpresa. É mais ou menos como obrigar a polícia a informar os bandidos onde poderá surpreendê-los. E nós ainda nos achamos no direito de fazer piada sobre outros povos.

      • Parabéns a redação do SOS estradas pelo ótimo trabalho que estão fazendo. li todos os comentários e respostas de vocês e fiquei impressionado com o conhecimento demonstrado a cada resposta, certamente fruto dos estudos e experiência da entidade nesse assunto. Confesso que ja cheguei a pensar como muitos dos que fizeram comentários sem nenhum embasamento ou estudo técnico, e fizeram de tudo para justificar suas infrações. Mas pude perceber e aprender apartir desse estudo e respostas da redação, que a preservação da vida e
        é o mais importante de tudo, e que podemos e devemos fazer o máximo possível para sermos melhores motoristas.

  19. Parabéns pelo trabalho de vcs, sem nenhum apoio financeiro, tentando concientizar a população dos riscos que corremos e expomos as outras pessoas inocentes no trânsito todo dia. Veículos viram armas nas mãos de motoristas irresponsáveis, e infelizmente o que impera no nosso país é a falta de educação e cultura do nosso povo manipulado pela classe política, a des-cultura da malandragem do povo brasileiro, danem-se os outros o que importa é chegar primeiro e passar na frente de todos. Limites de velocidade existem para serem respeitados e se todos dirigissem com o mínimo de respeito e cuidado para com o próximo milhares de mortes seriam evitadas todos os anos.

  20. E muito triste, para as vítimas do trânsito em todo Brasil , infelizmente com estradas esburacadas , sem o mínimo de estrutura , inseguras em todos os sentidos ; condutores levando para o trânsito seus traumas e arrogância mas me parece que está acontecendo uma confusão sobre a indústria das multas aqui na terrinha , acho que nas rodovias nem tanto mas nas capitais de todo o Brasil se vc não tiver bem ligado , será multado a cada 5 minutos com multas bem altss sem falar nos pontos na carteira ! Caso seja pego cê tem que fazer um Mine curso , vai gastar de 800 a 1.3..… para ter sua carteira de volta ! A impunidade também faz com que a violência e as mortes no trânsito sejam maiores ; uma coisa que eu acho injusto e a comparação do nosso país de 5° mundo , com países desenvolvidos que estão a anos luz a nossa frente !

  21. Concordo e até apreciei muitas das informações.
    Mas perde a credibilidade porque vcs bem tentam disfarçar que são esquerdista. A narrativa é muito tendenciosa. Vcs talvez nem vêem mais isso. Aliás, tá difícil acreditar em alguma informação no nosso querido Brasil. Sempre por traz da notícia tem um interesse politico ou econômico ou de poder.
    Lamentável.

    • Você poderia nos dizer como identificou “esquerdistas”? Como somos ligados a entidade de vítimas de trânsito, não nos preocupa em quem a vítima votou e sim em evitar que morra. Nós também não acreditamos em quem nos acusa de esquerdistas, porque nos chamavam de fascistas nos governos do PT. O.s que nos chamam de esquerdistas, deveriam encontrar com os petistas, que sempre nos criticaram por inúmeras denúncias que publicamos. Você precisam chegar a um consenso. Porque cada um nos acusa de algumas coisa, só não defendem a preservação de vidas. A violência no trânsito não escolhe as vítimas por posição política.

  22. Comparativo, de meias verdades, na Europa a maioria dos países tem as autoestrada para andar a 130 km/h.(velocidade real), que no velocímetro, pode rodar a 150 km
    Este estudo de velocidade média não diz nada.Saindo de Joinville a Criciúma a 90 km, a noite e sem parar, a velocidade média fica entre 60 e 70 km/h.
    Pergunto: vou ser multado pela velocidade media?
    Sugiro que :
    -em rodovias boas a velocidade permitida seja aumentada(sem estes pardais e lombadas a 40, muito menos radar móvel.
    -em vez de lombadas, ter passarelas para pedestres(e vcs devem fazer um estudo porque as pessoas atravessam uma rodovias duplicada, com mureta e não a passarela-
    -Ao invés de lombadas física e pardal, passagem de nível para os ribeirinhos.( também devem fazer um estudo porque tem pardal e lombada física para ser utilizado umas vezes por dia , em detrimento de milhares de veículos que deverão diminuir vel, ( quanto isto gasta de pneu, freio, combustível tempo, e acidentes)
    -Para cada km diminuído quanto tempo a mais e veículos a mais para cumprir as entregas , ou bitrens a mais.
    Enfim, a indústria da multa existe .Devemos sim seguir os exemplos da Europa : 130 km/,h, e Rod boas e bem fiscalizada .
    Ainda, devem este sítio, fazer as contas de quanto se arrecada em IPVA , e multas.

    • Na Europa a maioria das rodovias tem limite de 110km/h e as de pista simples entre 80km/h e 90km/h. O sistema de multas por velocidade média é comum nas autoestradas italianas, o chamado sistema Tudor. Mas são rodovias fechadas, onde é possível usar essa tecnologia. Embora a maioria dos países está aperfeiçoando o uso de radares, inclusive drones para multar os infratores com imagens aéreas. O que nos chama atenção é que a maioria dos que criticam o estudo e nossos argumentos, sequer mencionam os flagrantes do vídeo. São infratores que publicam na internet andando em velocidade absurdas, cometendo inúmeras infrações e crimes de trânsito. Fazem isso o ano todo, alguns publicam 3 vídeos por dia, ou seja, mais de 1.000 por ano. Então, onde está a indústria da multa que não flagra esses potenciais assassinos do trânsito? Por que as críticas que são feitas não mencionam esses criminosos que colocam vidas em risco todo dia? Solidariedade de infrator?

  23. Trabalho na estrada a 30 anos!! Sou Eng Agrônomo. Pois bem!! Penso que realmente a diminuição de velocidade é muito importante e protege vidas. Não tem como discutir.
    Penso também que o usuário merece respeito e isso significa estradas decentes, algo que os políticos não são.
    Nosso país tem que tirar as cargas das estradas e colocar nas ferrovias, hidrovias..

  24. Sou dono de caminhão de transporte rodoviário desde 2012 até 2018 todos os licenciamentos anual do caminhão pagava de multa de 1.800,00 a 2.200,00 por ano em 2019 paguei 860,00 e 2020 paguei 600,00 onde está o dinheiro desta multa tem alguém sem dinheiro por aí tem que apresentar estudos e muitos mais argumentos para voltar a fazer festa com nosso dinheiro

    • O dinheiro da multa vai para o caixa dos governos. Nas rodovias federais para os cofres da União. Portanto, deve questioná-los sobre onde foi parar o dinheiro. Por outro lado, é preocupante a quantidade de multas que você paga. Até porque, a maioria dos profissionais da estrada não tem essa quantidade de multas para pagar. No nosso portal rodamos em média, cada integrante, 80.000 km por ano em rodovias. É raro alguém da nossa equipe tomar 1 multa por ano.

  25. Moramos num país onde somos obrigados a compra carros com abs , airbag,mais um monte de itens de segurança onde as rodovias na maioria continua em pista de mão dupla onde você viaja uma hora atrás de um caminhão que não tem onde ultrapassar o governo cria seus recursos quebra mola radares e não moderniza a infraestrutura nós usuários que são multados que pagamos a conta

    • A tecnologia embarcada nos veículos tem contribuído em muito para reduzir a gravidade dos acidentes, lesões e mortes. Pelo menos nisso evoluímos. Os quebra molas são aberrações cujo uso está cada vez mais frequente já que o presidente não quer radares, nem lombadas eletrônicas. Então, instalam lombadas físicas que estão provocando graves acidentes.

    • A impunidade na política é igual a impunidade no trânsito brasileiro. Nos países que citamos no estudo, punem os infratores e políticos. O trânsito revela quem somos como povo, quanto mais porque demonstra nossa negligência com a preservação da vida.

  26. Olha eu acho até bonito e altruísta vocês defenderem as famílias das vítimas de trânsito, mas que tal olhar fora da caixa? Nao vi todos os seus estudos mas esse em particular parece enfatizar demasiadamente o limite de velocidade como única causa de acidentes fatais no trânsito. Apenas vou falar o que vejo e vivencio todos os dias, a falta de paciência, ignorância, intolerância, competitividade entre os motoristas é algo assustadoramente presente e tão responsável por esses acidentes quanto ao simples limite de velocidade. O que precisa ser visto: tudo é um efeito dominó, uma coisa afeta a outra, digamos que o limite nas vias seja reduzido, isso vai facilitar você a ser assaltado dentro do seu carro em movimento, isso mesmo, EM MOVIMENTO. Outra coisa a loucura de algumas pessoas, ja vi carros disputando espaço nas faixas com caminhões, motos em corredores entre caminhões, ônibus, essas pessoas que nao sabem esperar por alguns segundos e acabam perdendo a vida por isso, motoristas que vem no cruzamento onde na via dele existe uma R-1 ou uma R-2 no enorme no chão ou no poste, e mesmo assim passa direto sem obedecer e se você estiver lá eles vão julgar você o errado da história.
    Sobre a indústria da multa…. Absolutamente existe! Se você acha que não, por favor pegue seu carro e se joga no mundo aí e tira sua conclusão pela prática, porque aqui é a verdadeira escola, a teoria te dá base, mas voce aprende mesmo é na prática. Só um exemplo. No artigo 185 do Ctb diz que caminhões tem de andar na direita, só que existe uma ressalva quanto a fazer ultrapassagem, porque a ultrapassagem é feita pela esquerda correto? Então me explica por favor, por que aqueles à toa dos agentes fiscalizadores atuam caminhões na esquerda que estão simplesmente fazendo ultrapassagem? Se isso não é injusto ou faz parte da indústria da multa então eu nao sei o que é. Mas talvez você saiba dizer. Agora mais uma coisa, esses atropelamentos que voce citou em cidades, o limite de velocidade é responsável também, mas o mais agravante é outro : avanço no sinal vermelho. Recomendo que você assista alguns vídeos de acidentes e veja que a imprudência é e vai continuar a ser a principal causa de acidentes, veja nesses vídeos, ultrapassagens forçadas; em lugares proibidos; pela contramão; em curvas, motociclistas fazendo manobras, empinando motos em rodovias, se arriscando e arriscando outros ao redor. Vale lembrar que a chave para a boa convivência se encontra no poder de todos nós, seja no meu, no seu, no dele, no dela, enfim, espero que depois de você se aprofundar sobre a conduta dos condutores que mencionei em geral, você nos traga outro artigo interessante para lermos e talvez nos educar mais.
    Abraço.

  27. Na contra mão mesmo estão a fábricas de veículos. Por que investirem cada vez mais em veículos mas rápidos para lançarem no mercado, se vivemos na era da desaceleração???? Me esclareça aí quem está na contra mão???

  28. Conheci o site por esta matéria.
    Parabéns. Matéria com profundo estudo. Nota-se um trabalho jornalístico muito bem fundamentando. Difícil de se ler hoje dia onde notícias rasas com títulos chamativos são a maioria. A vida humana está acima de qualquer argumento. Sim existem equívocos, casos isolados de talvez alguma injustiça ou erro administrativo porém está longe de ser uma indústria das multas. Minha esposa me questionou: quantas das multas que eu já tive foram injustas? Resposta nenhuma. Parabéns pessoal!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui