VAI ANALISAR: O governo do Mato Grosso disse que vai analisar o pedido de alteração do local da praça de pedágio da MT-208. Foto: Divulgação/Ilustrativa

Vice-governador,m Otaviano Pivetta afirmou que o governo irá dar atenção às reivindicações

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Alta Floresta defendeu durante reunião com o vice-governador Otaviano Pivetta e o secretário Estadual de Infraestrutura, Marcelo de Oliveira e Silva, a mudança do local onde será construída a pedágio da MT-208, a 13 quilômetros do município sentido Carlinda. A entidade defende “que a praça seja implantada a 23 quilômetros do município, conforme decidido na audiência pública realizada no dia 26 de outubro de 2017”, “justamente para não penalizar os moradores que residem próximo ao município”. Segundo a entidade, o “projeto em execução, irá afetar de forma ampla toda a população principalmente o setor varejista, prejudicando os lojistas”.

De acordo com a assessoria, o vice-governador disse que a reivindicação será avaliada. “Eu não estava preparado para isso. Se não a gente já tinha feito um estudo jurídico, mas não se preocupem, se está errado vamos corrigir”, disse o vice-governador.

O Sindicato Rural também se posicionou contrário ao local onde está sendo instalada a praça. “Vai ficar praticamente dentro da cidade e isso vai prejudicar de mais os produtores da 3ª Leste, 4ª Leste e Ramal do Mogno. Mandamos uma demanda para a Sinfra para que essa praça de pedágio fique a 23 quilômetros de Alta Floresta. Não somos contra o pedágio, somos contra o local que ele está porque vai prejudicar muito os produtores, principalmente os produtores de leite”, disse o representante, Paulo Moreira.

Se mantido o local que a vencedora da concessão quer construir a praça, os pequenos produtores que vendem leite, hortifrutigranjeiros, por exemplo, estarão entre os mais afetados porque terão que pagar mais pedágio pelo fato que precisam ir a cidade vender seus produtos e retornar para a casa. Com a mudança reivindicada pelas entidades, uma pequena parcela de pequenos agricultores seria afetada. O valor inicial do pedágio será de R$ 7,90.

O termo de transferência da rodovia foi assinado, em maio, pelo governo estadual e o presidente da concessionária, César Menezes. O prazo de concessão é de 30 anos e a concessionará terá que fazer a revitalização e manutenção na rodovia. A empresa já obteve as licenças ambientais necessárias e deve iniciar, nos próximos dias, as obras de recuperação do trecho de 188,2 quilômetros das rodovias MT-320 e MT-208 entre Colíder, Nova Santa Helena, Nova Canaã do Norte, Alta Floresta e Carlinda.

Serão instaladas três praças de pedágio – na MT-320, Km 14,7 – nas proximidades de Colíder, outra também na MT-320, Km 59,8, em Nova Canaã do Norte e a terceira na MT-208, KM 23, no município de Alta Floresta.

Fonte: Só Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui