SALDO NEGATIVO: O total de pessoas mortas nas estradas do Sul de Minas cresceu em 2019, se comparado com 2018. Fotos: Divulgação

As principais rodovias da região registraram aumento no número de mortes em 2019. Em algumas, a quantidade de vítimas mais do que dobrou.

Mas foi a BR-354, no trecho entre Campo Belo e Perdões, que apresentou o número mais impressionante. Só em 2019, foram 15 mortes registradas no trecho, contra apenas uma em 2018. Em apenas dois acidentes envolvendo caminhões e um ônibus, oito pessoas morreram. Outras cinco mortes foram registradas na mesma rodovia, mas no trecho entre Pouso Alto e Itamonte.

A Fernão Dias, rodovia mais importante do Sul de Minas, registrou 39 mortes em 2019, número 44,4% maior do que o número de vítimas noticiado pelo G1 em 2018: 27.

Outra rodovia que registrou aumento considerável foi a BR-459. Em 2018, foram 10 mortes registrada na rodovia. Já em 2019, o número saltou para 26. Nesta rodovia, chama a atenção o trecho de Santa Rita de Caldas, que registrou seis mortes em apenas um ano. Em um dos casos, três pessoas morreram e quatro ficaram feridas após dois carros baterem de frente.

A BR-491 também chamou atenção de forma negativa no levantamento do G1. A rodovia dobrou o número de mortes em apenas um ano. Em 2018, foram 14 mortes registradas. Já em 2019, o número saltou para 28. Na rodovia, dois trechos chamam a atenção: o que fica entre Monte Santo de Minas e Itamogi e o que fica entre Fama, Paraguaçu e Elói Mendes. Os dois trechos registraram sete mortes cada uma no ano passado.

MORTES PREMATURAS: Cinco jovens morreram em acidente em Lambari (MG) — Foto: Reprodução/EPTV

Redução de mortes

Mas nem todas as rodovias da região registraram aumento no número de mortes conforme o levantamento. A BR-265 registrou redução de 33,3% no número de mortes entre 2018 e 2019. Foram 12 registros no ano passado contra 16 no ano anterior.

A MG-050 também registrou redução no número de mortes. Em 2018 foram 11 óbitos em acidentes, contra oito no ano de 2019 noticiados pelo G1.

A BR-267, que passa por municípios como Aiuruoca, Baependi, Cambuquira, Campanha, Caxambu, entre outros, também teve redução de 12,5% no número de mortes. Em 2018 foram 24 mortes registradas, contra 21 no ano passado.

Aumentam mortes no perímetro urbano

Outro número preocupante é referente ao aumento no número de mortes em acidente de trânsito dentro dos perímetros urbanos dos municípios da região. Em 2018, o G1 contabilizou 34 mortes em acidentes no Sul de Minas. Já no ano passado foram 58, um aumento de 70,5%.

A cidade que mais registrou mortes dentro do perímetro urbano foi Varginha. Foram 12 mortes em acidentes, inclusive atropelamentos, dentro da cidade. Já Poços de Caldas registrou oito mortes em acidentes dentro do perímetro urbano. Lambari e Pouso Alegre registraram cinco mortes cada em acidente.

Um dos casos mais chocantes aconteceu em Lambari. Em 15 de dezembro de 2018, cinco jovens com idades entre 17 e 19 anos morreram após o carro em que eles estavam bater em uma casa.

Também chama a atenção o número de mortes por atropelamento dentro das cidades. Das 58 mortes registradas nos perímetros urbanos, 21 foram por atropelamento, 36,2% do total.

Fonte: Portal G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui