Depois de um longo período de estiagem, as chuvas dos últimos dias deixaram as estradas mais escorregadias, devido ao acúmulo de óleo e poeira na pista, e contribuíram, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), para a ocorrência de graves acidentes nas rodovias federais de Minas.

Das 15h30 de terça-feira até a tarde ontem, pelo menos 19 pessoas morreram e 13 ficaram feridas. Em apenas cinco dos acidentes, num intervalo de sete horas, houve 13 mortes, nove das quais em duas colisões na BR-135, em Montes Claros, Norte de Minas, com cinco, e em Buenópolis, na Região Central, com quatro.

No início da madrugada de ontem, outros três desastres foram registrados nas BRs, enquanto chovia, matando mais seis pessoas. Em Leopoldina, três morreram e oito ficaram feridos numa batida envolvendo uma carreta e uma van. Para os próximos dias, há previsão de mais chuvas. A PRF alerta, porém, que a imprudência segue como a principal causa dos acidentes.

No mais grave deles, uma colisão próximo a Montes Claros, foram cinco mortos e um ferido, às 22h40 de terça-feira, no km 388 da BR-135, junto à comunidade rural de Lagoinha, Norte de Minas. Chovia fino, de acordo com a PRF, e numa curva, o Marea placa GYZ 7937, de São Paulo, rodou, invadiu a contramão e bateu de frente na Pajero placa HGQ 3399, de Montes Claros. O motorista do Marea, Daniel Pereira da Silva, de 26, e seus três passageiros, Alex Sandro Nascimento, de 25, Gustavo de Jesus Silva, de 20, e Carlos André Ferreira Macedo, de 26, morreram presos às ferragens.

O motorista da Pajero, o diretor da empresa de ônibus Transnorte, Humberto Luiz Sapori, de 47, teve ferimentos leves, mas a mulher dele, Maria de Fátima Murta Alves Sapori, de 52, não sobreviveu. Os bombeiros usaram uma tesoura hidráulica para retirar os corpos, além um equipamento conhecido como almofada pneumática.

Às 17h do mesmo dia, mais quatro pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida no km 516 da BR-135, em Buenópolis. Três dos mortos eram funcionários da Fundação Nacional de Saúde (Fundação Nacional de Saúde). O motorista do Idea placa HGI 7117, de Montes Claros, Cleyton dos Santos Queiroz, de 21, morreu no local. O condutor do Palio placa 5734, de Montes Claros, Zeus Ferreira Rosa, de 44, teve lesões graves, mas três passageiros que viajavam com ele, Hércules Ferreira Rosa, de 45, Waldir Ferreira de Souza, de 64, e Maria Célia Nassau Ferreira, de 65, não sobreviveram ao impacto. O Corpo de Bombeiros isolou a pista para os trabalhos periciais. Os corpos ficaram presos às ferragens.

Na BR-153, em Centralina, Triângulo Mineiro, o Furgão Ducato, placa DML 3607, de Osasco (SP), capotou, às 15h50 de terça-feira. A motorista, Sueli Regina de Lima Santos, de 39, e o irmão dela, Alexandre José de Lima, de 37, morreram. A pista estava molhada.

Mais uma pessoa morreu e uma segunda ficou ferida, numa colisão, às 15h30 de terça-feira, no km 467 da BR-365, em Patrocínio, Alto Paranaíba. O caminhão placa API 0087, de Campo Largo (PR), dirigido por um homem de 39 anos, que escapou ileso, bateu de frente na Belina placa GPY 4350, de Patrocínio, dirigida por um homem de 51 anos, que não sobreviveu.

Exatamente no mesmo horário, mais uma morte e um ferido, numa colisão frontal, no km 430 da BR-381, em Sabará, Região Metropolitana de Belo Horizonte, no trecho da estrada conhecida como Rodovia da Morte, devido ao alto índice de tragédias. O Prisma placa AQC 6596, de Curitiba (PR), se chocou de frente com a Sprinter placa KMQ 4747, de Manhuaçu (MG). O motorista do Prisma, Guilherme Dantas Albuquerque, de 39 anos, morreu. O condutor da Sprinter, de 51, nada sofreu.

Mais mortes

A onda de acidentes graves continuou na madrugada e no decorrer desta quarta. Por volta de 1h, no km 568 da BR-116, em Manhuaçu, Zona da Mata, o motorista de um carro de passeio, não identificado, morreu ao ser atingido pelo caminhão placa GWI 7440, dirigido por um homem de 60 anos.

Por volta de 1h, a chuva também pode ter sido responsável pelo acidente que matou duas pessoas e deixou uma gravemente ferida no Anel Viário Ayrton Senna, em Uberlândia, Região do Triângulo. A carreta Volvo placa HFF 5514, de Araguari, e o Polo placa GVS 6125, de Uberlândia, bateram de frente no km 1. Segundo a Polícia Militar, não foi possível esclarecer como ocorreu a colisão, já que os condutores apresentaram versões contrárias. O caminhoneiro Paulo Valdemar, de 33 anos, diz que o carro de passeio entrou na contramão. Já Francinaldo Otaviano, de 43, acusa o outro veículo de invadir sua pista.

Um dos passageiros do Polo, Lourival de Castro, de 70, ficou preso às ferragens e não resistiu aos ferimentos. Ao lado dele estava Elmir Calixto Milken, de 55, que chegou a ser retirado do veículo com vida, mas morreu ao dar entrada no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Os médicos do pronto-socorro também atenderam o terceiro passageiro do carro, Alfredo Júlio Martins, de 49, resgatado inconsciente e com politraumatismo. Seu estado era grave.

O motorista do Polo também ficou ferido, mas não corria risco de morrer. Otaviano teve trauma no tórax e passou o dia em observação no Hospital de Clínicas, aguardando avaliação neurológica. O caminhoneiro foi o único que não se machucou.

Às 5h15, no km 772 da BR-116, em Leopoldina, Zona da Mata, mais três mortes foram registradas. A carreta Scânia placa DPF 1418, de Fortaleza (CE), bateu de frente na van Sprinter placa CLH 1757, de Muriaé (MG), onde viajavam as vítimas. Morreram dois homens, de 36 e 43 anos, e uma mulher, de 66. Oito pessoas foram socorridas na Casa de Caridade Leopoldinense. Segundo a PRF, o motorista da carreta, que seguia no sentido São Paulo/ Bahia, perdeu o controle da direção e invadiu a contramão.

Como dirigir com segurança

A chuva agrava a falta de visibilidade e torna a pista escorregadia.

Se não houver visibilidade mínima à frente, deve-se parar em locais seguros, como postos de gasolina ou totalmente no acostamento, ligando-se o pisca alerta.

Se houver condições de visibilidade, deve-se diminuir a velocidade e manter aos faróis acesos mesmo durante o dia. Procure não frear bruscamente. Se estiver trovejando, não pare sob árvores.

NA NEBLINA – Use apenas faróis baixos e os de neblina

ÓLEO NA PISTA – Principalmente em curvas, causa muitos acidentes. Se for envolvido, coloque ramos de árvores para sinalizar e avise imediatamente a Polícia Rodoviária.

CRIANÇAS – Devem viajar no banco de trás, salvo exceções do Código de Transito Brasileiro, e sempre com o cinto de segurança ou cadeirinha específica.

REFEIÇÕES – Procure refeições bem leves antes de dirigir, para evitar o sono e um eventual mal-estar.

CINTO DE SEGURANÇA – Obrigatório para todos os ocupantes dos veículos, em todo o território nacional.

ULTRAPASSAGENS – Faça com segurança, respeitando a sinalização, observe se outro veículo atrás de você não tomou a iniciativa primeiro.

VELOCIDADE – Respeite a velocidade sinalizada na rodovia

MANUTEÇÃO – Verifique sempre o estado de seu veículo, sua documentação e a do automóvel. Pneus devem estar em bom estado de conservação e segurança, sistema de iluminação, limpador de para-brisas e cinto de segurança em perfeito estado de funcionamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui