TRAGÉDIAS COM ÔNIBUS: Incêndios e acidentes com ônibus são cada vez mais frequentes nas nossas rodovias. Foto: Divulgação/CBMMG

Em menos de 48 horas, o Estradas.com.br  identificou 10 ocorrências graves com ônibus nas rodovias, deixando pelo menos 70 feridos, vários graves, inclusive dois com mutilações, além de 5 mortos. Como se não bastasse, dois ônibus pegaram fogo.

  1. Um ônibus da Transmotta(l), a serviço do aplicativo Buser, pegou fogo na noite de sexta-feira (22) na rodovia MGC-482, em Catas Altas da Noruega, região central de Minas Gerais, mas não houve feridos, de acordo com o Corpo de Bombeiros de Conselheiro Lafaiete (MG). Os passageiros apenas perderam pertences.

2. Um acidente (sinistro) no km 236 da BR-365, em Buritizeiro (MG), na madrugada de sexta-feira (22), envolvendo um ônibus Mercedes-Benz, da empresa Catedral, placas REV8C72, prefixo 22501, deixou 11 pessoas feridas, de acordo com o Corpo de Bombeiros de Pirapora (CBMMG). A empresa tem vários acidentes registrados nos últimos anos e operação contestada por autoridades.

3. Um sinistro no km 45 da Rodovia Cuiabá-Santarém (BR-163), em Belterra (PA), na madrugada de sábado (23), envolvendo um ônibus da Viação Ouro e Prata, deixou ao menos 19 passageiros feridos, sendo três em estado grave, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Empresa cuja operação também é questionada na Justiça e que tem registro de vários acidentes graves.

4. Um sinistro no km 766 da BR-116, próximo à região de Lagoa Grande, entre Poções e Planalto, sudoeste da Bahia, na manhã de sábado (23), envolveu um ônibus e uma picape Fiat Strada, deixou ao menos 17 pessoas feridas, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

5. No sábado, à tarde, sinistro com ônibus escolar, da cidade de Aurora (CE), que transportava time de futebol amador, deixou 13 feridos e três mortos, na Rodovia Padre Cicero (CE-060), em Caririaçu, no Sul do Ceará. O veículo caiu em uma ribanceira de cerca de 60 metros, segundo o Corpo de Bombeiros de Juazeiro do Norte (CE).

6. Já em Barreiras (BA) um ônibus de turismo bateu na traseira de uma carreta na BR-242, na manhã desse sábado (23). Não há informações sobre feridos, apenas um caso grave. A primeira versão é que o motorista cochilou e colidiu na carreta quando esta reduziu a velocidade para passar numa lombada.

De acordo com informações, motorista do ônibus de turismo teria cochilado ao volante, e quando percebeu estava próximo à traseira da carreta, que havia diminuído a velocidade para passar no quebra-molas. O condutor não conseguiu frear a tempo e colidiu com a traseira da carreta.

7. No Sergipe, um sinistro envolvendo um micro-ônibus deixou três pessoas levemente feridas na BR-101, no município de Carmópolis, no Leste sergipano, na tarde deste sábado (23). O ônibus conduzia jogadores de um time de futset de Propriá (SE).

8. Um ônibus rodoviário da Expresso Guanabara, com 25 passageiros na rota Rio-Sobral, ficou totalmente destruído por volta das 21h desse sábado (23), ao pegar fogo na altura do km 102 da BR-407, na cidade de Jaguarari, no interior da Bahia.

9. Na madrugada deste domingo (24), um sinistro fatal envolvendo um ônibus de piquenique resultou na morte de um casal na rodovia PA-324, em Nova Timboteua, no nordeste paraense.

10. Um ônibus da empresa Danúbio Azul, transportando 40 passageiros, tombou na manhã deste domingo (24), no km 57 da Rodovia dos Bandeirantes (SP-348), em Jundiaí (SP), deixando 20 pessoas feridas, sendo dois em estado grave, de acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRv).

Falta de manutenção e excesso de jornada dos motoristas

Para o coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto, esse número impressionante de casos em 48h revela a falta de fiscalização, manutenção dos veículos e péssimas condições de trabalho dos motoristas.

“Têm empresas operando de forma irregular, com liminares na Justiça. Empresas que não respeitam jornada do motorista. Sem contar a falta de fiscalização e manutenção dos veículos, principalmente nas prefeituras e empresas que operam praticamente de forma clandestina,” explica Rizzotto.

Rizzotto ressalta ainda que os passageiros têm sua parcela de culpa ao optarem por transporte mais barato, sem averiguarem a seriedade da empresa, e muitas vezes, não fazerem uso do cinto de segurança, o que aumenta o risco de lesões graves e mortes, em caso de sinistro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui