Obra devolve 5.2 quilômetros de rodovia recuperada à população

O comerciário Ananias Paiva, de 65 anos, foi um dos primeiros motoristas a utilizar a nova ponte da Rodovia Transamazônica (BR-230), localizada em frente à Usina Hidrelétrica Belo Monte (UHEBM), liberada para o tráfego esta semana. Para ele, que estacionou numa área segura de observação para fotografar a ponte, a obra representa um avanço à região. “Eu tinha o costume de passar pelo desvio e parei para fotografar, pois acho que é um momento histórico, já que estamos recebendo uma obra importantíssima pra a nossa região”, observou.

As obras de construção da ponte, que possibilitou a recuperação e reestruturação de 5.2 quilômetros de extensão, foram concluídas após pouco mais de nove meses de trabalho. Garantida por meio de aporte financeiro da Norte Energia, responsável pela construção e futura operação da UHEBM, o objetivo do empreendimento foi possibilitar a escavação do canal de fuga da hidrelétrica sem interromper o fluxo de veículos. A nova ponte atravessa o canal por onde as águas do Rio Xingu retornarão ao curso normal em dezembro deste ano, em acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Com 615 metros de extensão por 15m40cm de largura e 41 metros de altura, a nova ponte possui pista de concreto (material mais resistente e de fácil manutenção) estruturada sobre 16 bases, 32 pilares, 14 travessas de pilares e 75 vigas, cada uma com 42 metros de extensão por 2,10 de altura e peso de 70 toneladas. A construção utiliza a tecnologia de concreto moldado com superestrutura em vigas pré-moldadas com resistência reforçada. Cerca de 8 mil m³ de concreto foram utilizados na obra.

Ponte_Transamazônica_04

De acordo com o diretor de obras da Norte Energia, Antônio Kelson Elias Filho, a estrutura foi projetada e executada com o que há de mais moderno em termos de tecnologia. “A ponte atende todos os critérios de segurança exigidos pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Ela comporta as cargas mais pesadas possíveis, inclusive por conta de termos a possibilidade de, futuramente, trafegar pelo local com peças da usina. Junto ao DNIT garantimos a construção de espaço para que ciclistas e pedestres possam utilizá-la sem a ocorrência de acidentes, por isso também priorizamos sinalização e iluminação pública de qualidade”, assegurou.

Com 4.223 km de comprimento, a Rodovia Transamazônica (BR-230) é a terceira maior rodovia brasileira e liga, de ponta a ponta, os estados da Paraíba (PB) e Amazonas (AM), interligando, ainda, Ceará (CE), Piauí (PI), Maranhão (MA), Tocantins (TO) e o Pará (PA). A BR-230 é importante via de acesso a algumas das principais cidades paraenses como Altamira, Marabá e Itaituba, interligando dezenas de municípios.

Segurança – preocupada com a segurança de quem trafega pela rodovia e eventualmente reduz a velocidade dos veículos para fotografar as obras da UHEBM, a Norte Energia disponibilizará profissionais de operação treinados a orientar os usuários da via a não pararem sobre a ponte, inclusive com a utilização de alto-falantes que servirão de alerta. Pensando nisso, as duas cabeceiras da via também comportam área de estacionamento específica para que os motoristas estacionem com segurança, caso desejem observar e fotografar a obra.

Fonte: Ascom

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui