Até o final do próximo ano, cerca de mil postos revendedores de combustíveis de Mato Grosso terão que se adaptar ao uso do novo diesel – o S10, que reduz a emissão de poluentes – obrigatório a partir de 2013. Postos localizados às margens das rodovias deverão ser os primeiros a aderir à proposta, já que o atendimento é voltado principalmente para o abastecimento de caminhões.

Assim como os postos, fabricantes de ônibus e caminhões também terão até dezembro de 2012 para desenvolver veículos adaptados para o óleo diesel S10.

De acordo com a determinação, os postos terão que se adaptar antecipadamente. Para isso, cada revendedor investirá cerca de R$ 100 mil, pois o novo produto deverá ser armazenado em tanques especiais e transportado em um tipo de caminhão próprio. A revenda terá que remanejar tanques e até mesmo instalar tanques adicionais.

Na avaliação do secretário executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis de Mato Grosso, Bruno Borges, os donos de postos precisam se sentir motivados para realizar as adaptações. “Os revendedores dificilmente terão recursos para tal investimento. Trocar tanques para uma demanda ainda desconhecida custará caro, com certeza”, avalia.

Os empresários ainda não sabem se o governo federal disponibilizará algum incentivo para aderir à proposta. “Além disso, é um combustível altamente corrosivo e, por isso, toda a mecânica dos veículos a diesel devem ser alteradas e, nos postos, as bombas têm que ser apropriadas”, explica Borges.

Borges ressaltou que, assim como os revendedores de combustíveis, os motoristas precisam tomar conhecimento sobre o novo produto para compreender melhor quais as mudanças a serem aplicadas a partir de 2013. Pela pouca demanda que deve haver no início, o litro do combustível deve chegar aos postos um pouco mais caro do que o do diesel comum. Também se estima aumento no preço dos veículos movidos pelo S10.

A fabricação de veículos que lancem menos poluentes no ar está previsto no Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), do governo federal e parceiros. A proposta abrange veículos rodoviários automotores de carga, de passageiros ou de uso misto, com capacidade para transportar massa total superior a 2,8 toneladas ou mais de 12 passageiros.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) deverá divulgar nos próximos dias resultado de uma pesquisa com donos de postos de diversos Estados para saber quem está interessado em comercializar o produto.

ETANOL ADITIVADO

Enquanto fabricantes de veículos e postos preparam-se para se adaptar ao diesel S10, o mercado mato-grossense aguarda para o segundo semestre deste ano a chegada da primeira versão aditivada do etanol desenvolvida para motores flex. Até agora nenhuma distribuidora optou por lançar o etanol aditivado no mercado local e as revendas apenas aguardam a chegada do produto.

No Brasil, o etanol aditivado foi lançado no primeiro semestre deste ano, pela Shell. O novo combustível oferece a proprietários de carros e motos um pacote de aditivos, como o Friction Modification Technology (FMT), que confere uma maior proteção das partes internas do motor que entram em contato com o combustível, além da capacidade extra de limpeza do sistema de alimentação de combustível, como bomba, injetores, e válvulas. Segundo estudos, o etanol aditivado garante maior autonomia (maior quilometragem rodada) aos veículos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui