VOANDO BAIXO: Motorista se gaba da velocidade de seu veículo Audi a 324 Km/H numa rodovia brasileira.
Ainda temos muito que aprender quando bilhões de pessoas podem se tornar veículos de comunicação através das mídias sociais, sem praticamente nenhum controle, criando inclusive canais no Youtube onde veiculam os crimes ou infrações que cometeram. Alguns desses vídeos podem ser considerados incitação ao crime.
Conforme já abordamos aqui, é possível encontrarmos milhares de youtubers, para ficar apenas nesta plataforma, postando rachas que são crimes de trânsito, dentre outras infrações gravíssimas como dirigir a mais de 300km/h em rodovia.  A falta de legislação adequada aos novos tempos torna esses criminosos do trânsito praticamente impunes. Pior ainda, a maioria são remunerados pela publicidade dos anúncios do Google no Youtube, e alguns chegam a faturar dezenas de milhares de reais por mês.
Quando as autoridades tentam agir descobrem que não conseguem sequer a retirada do ar de vídeos no Youtube que incitam a prática de crimes de trânsito. A empresa, com sede no exterior, está longe do alcance das leis brasileiras, apesar de ter profissionais trabalhando no país que estão cientes dos crimes praticados.
Como se não bastasse, a CEO,  executiva mais importante do Youtube, Susan Wojcicki, ainda manda carta parabenizando os criminosos quando atingem 100 mil seguidores, com direito ainda a placa que eles mostram com orgulho para seus fans.
A carta parabeniza os criminosos do trânsito por terem atingido 100 mil seguidores e estimula para que alcancem 1 milhão
Neste ponto chegamos ao questionamento do título deste comentário: Será que o Youtube é cúmplice da mortes causadas por esses youtubers? A resposta não é simples mas podemos afirmar que colabora com isso, afinal, estimula essas pessoas, na maioria jovens a postarem seus rachas em velocidades absurdas, manobras radicais com seus carros e motos, em que colocam em risco sua vida e de terceiros.
A expectativa desses influenciadores não é apenas ganhar fama mas também viver disso, afinal, o Youtube financia com seus anúncios e viabiliza que eles vivam de cometer infrações e crimes de trânsito.
Há poucos dias, um desses youtubers iniciantes, com dezenas de vídeos publicados cometendo infinidade de crimes e infrações de trânsito, morreu na Via Anhanguera, próximo de Cajamar, cidade da região metropolitana de São Paulo.  Segundo as primeiras informações divulgadas pela TV Record, ele estava em alta velocidade na sua moto super potente e colidiu com outro motociclista, engenheiro mecânico, pai de um menino de 7 anos.
Ambos morreram e agora farão parte das vítimas indenizadas por morte pelo DPVAT.
Curiosamente, as imagens de crimes de trânsito do youtuber assassino em potencial, agora provável assassino de fato, foram retiradas do ar imediatamente. Mas alguns desses vídeos com crimes foram salvos. Inclusive estão sendo utilizados por outros criminosos do trânsito para homenagear o comparsa, como no vídeo abaixo.
O dinheiro das indenizações dos mortos sairá do bolso dos brasileiros que pagam DPVAT, enquanto isso, o Youtube continuará faturando com os demais criminosos do trânsito. Simplesmente vai transferir seus anúncios para outros criminosos.
Afinal, a Susan Wojcicki, que comanda o Youtube, precisa continuar faturando, enviando cartas para os seus criminosos de maior destaque, direto da Califórnia, onde vive bem tranquila, longe das mortes e crimes no trânsito brasileiro. E ainda concede entrevistas falando sobre a importância de preservar vidas em tempos de Covid-19.

Rodolfo Rizzotto – Coordenador do SOS Estradas

Versão em áudio do comentário:

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui