ATÉ QUE ENFIM: Depois de quase 60 anos, o governo federal resolveu atender à reivindicação de pavimentação da BR-367, entre o Norte de Minas e a divisa com o litoral baiano. Foto: Divulgação

Depois de quase 60 anos, o governo federal assume a responsabilidade pela obras

Foram necessários 59 anos para que o Governo Federal tomasse a decisão de iniciar as obras de pavimentação da BR-367, entre o Norte de Minas Gerais e o litoral da Bahia, considerada uma importante rodovia para o escoamento da produção agropecuária e de madeira de eucalipto existentes no Vale do Jequitinhonha.
De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a obra inclui o asfaltamento de um trecho de 61,6 quilômetros, próximo à divisa com a Bahia.
Ainda de acordo com a Autarquia, a Ordem de Serviço (OS) foi assinada, nesta quarta-feira (17), pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e pelo diretor-geral do Dnit, general Antônio Santos Filho.
Segundo Freitas, a obra – foi muito pleiteada desde o governo Juscelino Kubitschek – cria um grande corredor no Norte de Minas em direção ao litoral. “Os serviços começam em agosto, com a construção da ponte sobre o rio Areinha e de seus acessos. O segmento a ser implantado, ligando Salto da Divisa a Almenara, será de grande importância para o norte mineiro e vales do Jequitinhonha e Mucuri”, frisou.
Ainda de acordo com o ministro Freitas, a obra fará a ligação asfáltica de dois eixos rodoviários nacionais: a BR-116 e a BR-101, reduzindo os custos de transporte. “Por meio da interligação com outras vias arteriais, a BR-367/MG também permitirá acesso à região norte do Espírito Santo”, disse.
De acordo com o Dnit, a BR-367 passa por municípios como Santa Cruz de Cabrália, Coroa Vermelha e Porto Seguro, na Bahia, e Araçuaí, Diamantina e Gouveia, em Minas Gerais. Além de fomentar a indústria do turismo, o trecho a ser implantado favorecerá o escoamento da produção agropecuária e de madeira de eucalipto existentes no Vale do Jequitinhonha para o sul da Bahia.
Ainda de acordo com o Órgão, o segmento atende, ainda, à demanda de transporte de granito, que abastece o mercado nacional e até o internacional, sendo exportado por portos localizados no litoral baiano. “A implantação desse segmento da rodovia será fundamental para incrementar o desenvolvimento de toda a região afetada pela rodovia”, destacou o diretor geral do DNIT, general Santos Filho.

Segundo o Dnit, a partir da assinatura da Ordem de Serviço, a previsão é de 24 meses de obras para conclusão do segmento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui