Médico do tráfego recusa suborno e é ameaçado por motorista que tentava renovar a CNH
AMEAÇA: Médicos de tráfego são ameaçados por motoristas reprovados com problemas psicológicos. Foto: Reprodução/Vídeo de caso real

Ao passar pela avaliação médica, muitos motoristas não reagem bem quando são reprovados. Em alguns casos, tentam subornar e até ameaçam profissionais das clínicas

O médico do tráfego, Alysson Coimbra, realizava atendimentos de rotina, nessa segunda-feira (10) em São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Como de hábito, ele saiu do consultório para buscar o próximo motorista na sala de espera, aproveitando para observar comportamentos incompatíveis com as informações fornecidas na ficha de atendimento.

Naquele momento, ele percebeu que um senhor, candidato a renovar a sua CNH, preencheu a ficha com dados incompatíveis com seu comportamento. Ele negou, na entrevista escrita, possuir doenças ou utilizar medicação, mas a experiência do médico indicava vários sinais em contrário.

Educadamente, o dr. Coimbra explicou que seria necessária uma avaliação psiquiátrica para renovar a CNH. O motorista ficou contrariado e tentou suborná-lo e, neste momento, o médico começou a gravar a conversa. Ao final, em clima de tensão, o motorista ameaçou o médico, dizendo que mandaria seus sobrinhos “capinarem ele” e mencionou a organização criminosa PCC.

Segundo o dr. Coimbra, não é a primeira vez que isso ocorre, e outros colegas já passaram por situação semelhante. No caso dessa segunda-feira (10), ele registrou o ocorrido na Polícia Civil. Durante a pandemia ocorreu outro caso, após a solicitação de um laudo psiquiátrico para um portador de esquizofrenia.

Como atua o médico do tráfego

Alysson Coimbra é médico do tráfego e coordenador nacional da Mobilização de Médicos e Psicólogos Especialistas em Tráfego. Ele explicou sobre a atuação do médico de tráfego:

A medicina do tráfego começa muito antes de dentro do consultório. Já na sala de espera, é possível fazer inúmeras avaliações do condutor através da ectoscopia, que é a impressão visual sobre a pessoa. Quando a ficha de atendimento é encaminhada para o médico, informações preliminares são fundamentais, como a forma da grafia, padrão de escrita e até dados sobre a alfabetização. Quando o paciente é convocado para a perícia, o exame começa oficialmente com a ectoscopia dos aspectos físicos principais, marcha, coordenação e apresentação facial, fornecendo inúmeras informações antes mesmo de a avaliação inicial começar.”

Ele detalhou o caso do condutor que tentou suborná-lo:

No caso específico desse condutor, a primeira impressão da ficha de avaliação já mostrava traços possivelmente relacionados a problemas de coordenação motora, comuns em síndromes cerebelares, problemas neurológicos, dependências químicas e alcoólicas. Ao convocá-lo para a sala pericial, a dificuldade motora era evidente, com marcha arrastada e incoordenação dos membros. Além disso, o documento de identificação era uma CNH antiga e expirada há muito tempo, sugerindo possíveis problemas de saúde ou apreensão de documentos anteriores. Ficou claro que o condutor omitia informações cruciais para sua segurança e a de outros no trânsito.”

Outro caso grave ocorreu no Triângulo Mineiro

Em 6 de junho, um condutor, após a segunda reprovação na avaliação psicológica, teve um acesso de fúria e destruiu o espaço destinado à captura de fotos, biometria e assinatura, danificando equipamentos e sendo contido por outros usuários.

O dr. Coimbra alerta que nas clínicas há muitos profissionais do sexo feminino, e essas intimidações estão se tornando mais frequentes. Nem sempre é possível controlar a situação.

Para o coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto, é fundamental que as autoridades tomem providências e entendam a importância de qualificar e proteger quem atende os motoristas. “Neste caso, o dr. Coimbra foi muito habilidoso e seguiu rigidamente o protocolo. No entanto, a situação revela que muitos motoristas estão dirigindo sem condições psicológicas adequadas e deveriam estar em tratamento. Além disso, é preciso punir exemplarmente quem coloca em risco a segurança dos profissionais das clínicas.”

O doutor Alysson Coimbra ainda acrescenta: “O trânsito foi o espaço coletivo mais afetado nesse pós-pandemia, e não podemos negligenciar o impacto dos problemas da saúde mental e psicológica como agentes potencializadores dos sinistros e mortes evitáveis no trânsito.”

Neste sentido, o Estradas.com.br alerta que, conforme a Senatran reconheceu, mais de 3 milhões de condutores das categorias C, D e E, não fizeram o exame toxicológico. O uso de drogas é uma das principais causas de doenças graves que afetam a capacidade de dirigir com segurança. Infelizmente, alguns Detrans estão tentando não multar motoristas que não cumprem obrigação legal para controle de uso de drogas.

Rizzotto destaca que essa situação é extremamente grave e aponta indícios de prevaricação, os quais precisam ser acompanhados de perto pelo Ministério Público. “Quando um motorista não apresenta o laudo obrigatório e negativo para drogas,  e o o responsável pelo Detran não aplica as punições previstas em lei, ele deve explicações à sociedade e assume a responsabilidade no caso de uma tragédia.”

Distúrbios psiquiátricos não diagnosticados ou tratados são uma das principais portas de entrada para o consumo de drogas nas estradas e rodovias do país. Uma política de sucesso deve incluir obrigatoriamente a avaliação psicológica para esses condutores”, finaliza Coimbra.

O Estradas.com.br já identificou o condutor e acompanhará o caso na Polícia Civil da cidade.

Matérias que podem ser de seu interesse

Brasil registra 3,4 milhões de motoristas sem exame toxicológico e transportadoras se mobilizam para evitar prejuízos

Mais de 20 mil motoristas sem renovação do exame toxicológico estão sendo notificados no Mato Grosso do Sul

Justiça revoga decisão do Detran do Paraná e multas do toxicológico voltam a ser aplicadas

Deixe um comentário

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui