ATÉ LÁ: As autoridades nova-iorquinas decidiram seguir os passos de Londres, Estocolmo, Milão e Singapura e adotar um pedágio urbano para carros e caminhões que circularem no Centro de Manhattan. Foto: Divulgação

Objetivo é reduzir os congestionamentos em Manhattan e arrecadar dinheiro para renovar o metrô de Nova Iorque

O Estado de Nova Iorque aprovou na segunda-feira (1°/4) a cobrança de uma espécie de pedágio para carros e caminhões que circularem no Centro de Manhattan. O objetivo é descongestionar a cidade, mas também angariar fundos para renovar o sistema de metrô, um dos mais vastos do mundo.

As autoridades nova-iorquinas decidiram seguir os passos de Londres, Estocolmo, Milão e Singapura e adotar um pedágio urbano para carros e caminhões que circularem no Centro de Manhattan. A iniciativa, inédita nos Estados Unidos, foi muito discutida e vinha sendo adiada há dois anos.

Esta nova taxa destinada a combater o congestionamento rodoviário entrará em vigor na capital financeira dos Estados Unidos antes de 31 de dezembro de 2020, de acordo com o texto aprovado pelo Parlamento do Estado de Nova Iorque.

A medida também visa atingir o a meta oficial de redução de 80% das emissões de gases poluentes até 2050. Agora, um painel de especialistas terá que decidir o valor que será cobrado. Segundo algumas estimativas, o pedágio seria de pelo menos US$ 12 por dia (R$ 46) para os carros de passeio e de US$ 25 (R$ 96) para quem entrar na região dirigindo um caminhão.

Os motoristas que usam as várias pontes e túneis existentes para entrar em Nova Iorque, uma cidade rodeada por água, já pagam pedágios. Mas agora a medida pretende taxar também o tráfego que flui no centro da ilha de Manhattan, ao sul da rua 60.

Críticas

A iniciativa, impulsionada pelo governador democrata Andrew Cuomo, reeleito em novembro, foi aclamada pelos ambientalistas. Mas a decisão foi denunciada como “injusta” nos bairros vizinhos de Manhattan, como Queens, ou no Estado de Nova Jersey, que faz fronteira com a Região Metropolitana de Nova Iorque.

Os motoristas alegam que o pedágio vai prejudicar os trabalhadores que vivem em áreas distantes e carentes de transporte público e que são forçados a usar o carro para o seu deslocamento diário. As receitas geradas com a taxa deverão ser alocadas principalmente para a renovação do metrô de Nova Iorque, que possui o maior número de estações do mundo.

Cerca de 5 milhões de pessoas usam o sistema metroviário da cidade diariamente. Mas diante da falta de investimento nos últimos anos, os passageiros sofrem com a superlotação, os atrasos e acidentes frequentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui