Presidente da empresa aponta para complexidade do cálculo dos pedágios

Ainda não há prazo definido, mas pode ficar para a próxima semana a conclusão dos estudos de Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) e secretaria dos Transportes sobre os custos de manutenção do trecho da BR-290 (freeway), em Osório, até o entroncamento da BR-116, em Guaíba.

O Governo do Estado e o Ministério dos Transportes negociam a possibilidade de a EGR assumir o trecho de 122 quilômetros até fevereiro de 2019. Desde o dia quatro de julho, após terminar a extensão de um ano, do contrato de 20 anos de concessão à Concepa, o Dnit está na gestão do percurso.

Há condicionantes e complexidades, observa o presidente da EGR, Nelson Lídio Nunes. “É preciso o exame com muita cautela”, acrescentou, numa referência aos valores de pedágio necessários nas três praças para a preservação da qualidade e da segurança da rodovia, sem prejuízos financeiros ao gestor.

Conforme Nunes a “definição mais concreta” pode sair na semana que vem. Até agora não há qualquer agenda entre o estado e o ministério sobre a matéria. “Mas isso pode acontecer a qualquer momento”, ressalvou. O edital de licitação já foi publicado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e o leilão está marcado para 1º de novembro.

O prazo da concessão é por 30 anos e envolve as BRs 101, 290, 386 e 448. Esse conjunto de estradas é denominado Rodovia de Integração Sul. O limite da tarifa de pedágio bidirecional a ser cobrado dos usuários, conforme prevê o edital, é de R$ 7,24 e só poderá ocorrer após um ano e meio de concessão. As estradas a serem licitadas cruzarão 32 municípios.

O investimento previsto, pela ANTT, é de R$ 7,8 bilhões. Enquanto o leilão é aguardado, nos 122 quilômetros Osório/Guaíba o Dnit já contratou empresa para o içamento do vão móvel da ponte do Guaíba e à segurança nas três praças de pedágio (Osório, Gravataí e Guaíba). Também nesta semana o Dnit contratou a A LCM Construção e Comércio SA, que venceu pregão eletrônico para executar serviços de manutenção e limpeza.

Por não estar definida a concessão provisória, o trecho segue sem cobrança de pedágio nas três praças, mas sem serviços de ambulância e guincho.

Fonte: www.noticias.r7.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui