PERIGO NA BR-116: Caminhoneiro de cegonha é flagrado com 84 rebites na BR-116, em Cajati (SP), na noite dessa quinta (27), mas é liberado pela PRF. Foto: Divulgação/PRF

Denúncias de vários usuários informaram que o veículo estava em alta velocidade na via. Mesmo depois de ser parado pela PRF, em Cajati (SP), condutor da carreta-cegonha Scania foi liberado. O veículo foi apreendido

Um caminhoneiro foi fiscalizado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na noite dessa terça-feira (27), na Régis Bittencourt (BR-116), em Cajati (SP), após várias denúncias de direção perigosa feitas por outros motoristas, via 191.

De acordo com a Corporação, o homem conduzia um carreta-cegonha Scania, de cor vermelha, e, ao checarem o veículo, foram descobertos 84 comprimidos de anfetamina, o popular ‘rebite’.

A abordagem se deu depois que três diferentes denúncias informaram que a carreta trafegava em alta velocidade e o condutor praticava condutas perigosas, que colocavam em risco a vida dele e a dos demais usuários da rodovia.

Segundo a PRF, após o recebimento dessas denúncias, uma equipe policial conseguiu localizar o veículo no km 500 da Régis Bittencourt (BR-116), aproximadamente a 70 quilômetros de distância do local da primeira denúncia.

De acordo com os policiais, com o cegonheiro, foram encontradas seis cartelas do medicamento anfetamina Nobésio Extraforte, sendo que uma delas estava parcialmente consumida.

Condutor liberado

Segundo a PRF, foram feitas as autuações de trânsito e, devido à falta de condições de dirigir do caminhoneiro, além de inoperância do sistema de iluminação, a carreta-cegonha foi recolhida.

Entretanto, o caminhoneiro assinou termo de compromisso para comparecer em juízo e foi liberado.

Perigo constante

A utilização de anfetamina para dirigir tem diversos efeitos nocivos, como afetar os reflexos e as decisões do motorista. Após ingerir a droga, a pessoa passa a exercer direção similar à de um motorista alcoolizado e as consequências são excesso de velocidade, manobras bruscas e reações lentas.

Apesar de o motorista ter a sensação de menor cansaço sob efeito da substância, seus reflexos e julgamentos são afetados. Doses maiores podem levar a um estado paranoico, inclusive a alucinações.

Diversos estudos relatam que após o efeito da droga cessar, a pessoa pode entrar em um estado profundo de sono e cansaço, capaz de ocorrer repentinamente.