PREJUÍZO: Transferência da administração do pedágio da Linha Amarela à Prefeitura do Rio pode ter gerado um custo anual, inicialmente não previsto, de R$ 1,73 milhão para a Fundação Rio-Águas. Foto: Divulgação

Retomada da administração da via por parte da Prefeitura ocasionou um custo anual de R$ 1,73 milhão para a Fundação Rio-Águas

Se para a população carioca a encampação da Linha Amarela pela gestão Marcelo Crivella foi ótima para o ”bolso”, por conta da suspensão da cobrança do pedágio, para o município do Rio não se pode dizer o mesmo. Isso porque, segundo informações do jornal ”O Globo”, a retomada da administração da via por parte da Prefeitura ocasionou um custo anual, inicialmente não previsto, de R$ 1,73 milhão para a Fundação Rio-Águas.

O valor refere-se à limpeza e desobstrução dos rios Faria e Timbó, visando evitar, assim, enchentes e alagamentos na região de Bonsucesso, na Zona Norte da capital fluminense.

Vale lembrar que, no final de novembro, à época ainda candidato à reeleição, Marcelo Crivella havia dito que o pedágio da Linha Amarela seria cobrado em apenas 1 sentido, no valor de R$ 4,30.

Já o prefeito eleito do Rio, Eduardo Paes, que assume o cargo na próxima sexta-feira (01), afirmou, dias antes da declaração de Crivella, que manterá o fim do pedágio, mas isso apenas se a Prefeitura tiver condições de arcar com o valor da encampação, a ser definido pela Justiça. E isso pode ultrapassar R$ 1 bilhão.

Fonte: Diário do Rio

1 COMENTÁRIO

  1. LAMSA DAVA FALSO LUCRO AO MUNICÍPIO E AINDA CONTINUA COMPRANDO ESPAÇO EM TABLOIDES INEXPRESSIVOS PARA DIVULGAR MENTIRAS…

    LAMSA NUNCA DEU LUCRO PARA O CONTRIBUINTE CARIOCA MUITO MENOS PARA O MUNICÍPIO, ISSO É FALSO – Pedágio em AVENIDA como o da Linha Amarela em qualquer situação de estado ou de iniciativa privada é crime de EXTORSÃO & FRAUDE FISCAL, entre outros crimes permanentes cometidos pela ORCRIM OAS-LAMSA-INVEPAR, esses estelionatários, que sonegavam, desviaram e lavaram dinheiro, com uso de recibos falsos desde sua inauguração, superfaturavam e em outras ocasiões subfaturaram, mentiam e falsificavam sua contabilidade para iludir acionistas e o fisco, fonte de distribuição de propina e corrupção de autoridades nos três poderes, formadores de quadrilhas enormes, fizeram apologia ao crime de estado, contabilizando arrecadação por estimativa, onde não há interesse público à cidadania e aos contribuintes uma empresa laranja, testa de ferro que nasceu para furtar o erário se apoderou de bens público de uso comum do povo sem sequer ter participado de licitação, na clandestinidade em conluio com autoridades inescrupulosas. (LuizPCarlos).

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui