Uma ação da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) poderá resultar em mudanças no pedágio e em melhoria do trânsito de veículos na rodovia BR-101. Está contida no projeto A BR-101 do futuro, elaborado pela Comissão de Transporte e Logística da entidade.

O presidente da comissão, Mario Cezar de Aguiar, também vice-presidente da Fiesc, anunciou a formação de uma comissão com representantes da entidade, do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-SC), da Autopista Litoral Sul, da Federação das Empresas de Transportes de Cargas e Logística (Fetrancesc) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC), para avaliação criteriosa sobre medidas concretas e prioritárias que podem ser adotadas no trecho concedido da BR-101 até Paulo Lopes.

A Fiesc continuará fiscalizando os trabalhos de duplicação das rodovias federais, com medição do engenheiro Ricardo Saporiti. Aguiar vai agilizar também uma ação mais proativa, com soluções para os principais problemas. A primeira proposta pretende substituir a cobrança de pedágio nas praças fixas pelo critério de quilômetro rodado. Um estudo que se encontra na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) revela que apenas 10% dos usuários da BR-101 pagam pedágio no Estado.

Cerca de 90% dos veículos circulam pela estrada, mas entre as praças e, portanto, estão livres da tarifa. Nos Estados Unidos e em países europeus, o pedágio é cobrado por quilômetro rodado. O diretor geral da ANTT, Jorge Luiz Macedo Bastos, já aprovou a ideia.

Rodovia tem problemas de congestionamento

A comissão técnica vai identificar onde estão os principais entraves e as opções: terceira faixa, vias marginais, campanha de educação dos motoristas ou até isenção de pedágio para caminhões que viajarem só de madrugada.

A BR-101 tem graves problemas de congestionamento em vários trechos. Na área concedida, destaca-se Florianópolis. Em Itajaí, o cenário vem se agravando todos os meses pela ausência da via portuária e pela confluência com a BR-470.

O contrato de concessão da BR-101 termina em 2032. Vários trechos com grande concentração de veículos já registram congestionamentos a qualquer hora do dia. O único contorno previsto é o de Florianópolis.

As metas do projeto
Ações previstas no projeto da Federação das Indústrias de SC para melhorar a mobilidade na BR-101 no Norte do Estado:
— Realizar um estudo de demanda para definir ajustes de capacidade para o curto, médio e longo prazo

— Identificar gargalos e estimar custos de ajustes, propondo intervenções em ordem de prioridade

— Ampliar e melhorar as rodovias secundárias, que coíbam a utilização do eixo rodoviário litorâneo pelo tráfico urbano

— Ampliar os contornos rodoviários

— Dimensionar a movimentação sazonal no eixo para identificar soluções pontuais visando amenizar os efeitos negativos para a mobilidade

— Prover infraestrutura de descanso ao longo das rodovias para atendimento da lei dos motoristas

— Coibir a ocupação das faixas de domínio da rodovia

— Realizar intensa campanhas de educação no trânsito para condutores de veículos de cargas e passageiros

— Incentivar o uso das rodovias em horários alternativos e de menor movimentação por intermédio de diferencial tarifário (pedágio)

Fonte: DC

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui