FRAUDES: Ex-governador Beto Richa foi denunciado, nesta quarta-feira (5) por fraudes em processo licitatório que envolve as obras de duplicação da PR-232, no Paraná. Foto: Divulgação Cruzeiro do Oeste, 28-07-17. Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Além de Beto Richa, outras seis pessoas foram indiciadas por crime de corrupção ativa e passiva

A força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR) denunciou hoje (5) o ex-governador do Paraná Beto Richa por crime de corrupção em processo que envolve obras na rodovia PR-232, que liga os municípios paranaenses de Maringá e Francisco Alves, no noroeste do estado.

Além de Beto Richa, foram denunciados Ezequias Moreira, José Richa Filho (Pepe Richa), Luiz Abi Antoun, Dirceu Pupo Moreira, Rafael Gluck e José Maria Ribas Mueller pela prática, ao longo de 2014, dos crimes de corrupção ativa e passiva, fraude licitatória e lavagem de dinheiro, relacionadas à licitação para Parceria Público Privada para exploração e duplicação da PR-323.

Segundo os procuradores, Beto Richa, Ezequias Moreira, José Richa Filho, Rafael Gluck e José Maria Ribas Mueller, fraudaram a licitação em favor do Consórcio Rota das Fronteiras, composto, entre outras, pela empresa Tucumann Engenharia e pela Odebrecht.

Vantagens indevidas

O grupo teria recebido “vantagens indevidas” de cerca de R$ 7,5 milhões para favorecer o consórcio e afastar potenciais concorrentes. De acordo com os investigadores, há registros de contatos entre empresários e agentes públicos anteriores à publicação das diretrizes para a licitação ganha, posteriormente, pelo consórcio.

“Para garantir que o Consórcio Rota das Fronteiras vencesse a licitação para a exploração e duplicação da PR-323, executivos da Odebrecht ofereceram pelo menos R$ 4 milhões a Denilson Roldo, no interesse de Beto Richa, Pepe Richa e Ezequias Moreira”, informou, por meio de nota o MPF.

Já o recebimento dissimulado de valores foi intermediado por Dirceu Pupo Moreira e Luiz Abi Antoun. “Dentro deste valor prometido pelos empresários, perícias dos sistemas Drousys e MyWebDay, da Odebrecht, revelaram no intervalo de dois meses ao longo de 2014, pagamentos superiores a R$ 3,5 milhões para o codinome ‘Piloto’, utilizado para identificar o ex-governador”, diz a nota do MPF.

Imóvel subfaturado

Os procuradores acrescentam que Beto Richa recebeu indevidamente R$ 3,4 milhões por meio da cessão de cotas de um imóvel subfaturado, em valor 44% abaixo ao do preço de mercado. A intermediação foi feita pelos executivos Rafael Gluck e de José Maria Ribas Mueller – ambos da Tucumann Engenharia, empresa que fazia parte do consórcio beneficiado pelo esquema.

“Este valor foi dissimulado pela participação da Ocaporã como intermediária, empresa formalmente gerida por Dirceu Pupo Ferreira, mas ligada por intrincadas relações societárias a Beto Richa e seus familiares”, informou o MPF.

Como houve recebimentos de valores em espécie, além de outras dissimulações visando o pagamento de vantagens, a denúncia aponta, também, o cometimento de crimes de lavagem de dinheiro.

Contatada pela Agência Brasil, a defesa de Beto Richa informou que só se manifestará após análise do processo. Até o momento, a Odebrecht também não se manifestou sobre o caso.

Fonte: Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui