A Companhia de Participações em Concessões vai investir R$ 333,3 milhões apenas nas melhorias da BR-163, conforme o cronograma da privatização divulgado pela Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). O montante não inclui os gastos com a duplicação.

O investimento total em 30 anos será de R$ 6 bilhões. O órgão estima que a cobrança do pedágio só terá início a partir do 18º mês após a assinatura do contrato, prevista para esta quinta-feira.

Além de duplicar 847 quilômetros da BR-163, entre as divisas de Mato Grosso do Sul com os estados de Mato Grosso e do Paraná, a concessão prevê investimentos de R$ 333,3 milhões em obras emergenciais.

Serão aplicados R$ 289 milhões em obras de reparo, como limpeza das pistas e acostamentos, restauração preliminar do pavimento, tratamento da faixa de domínio, canteiro central, restauração emergencial das obras de artes especiais, sinalização, iluminação e instalações elétricas e das vias marginais, acessos, trevos e entroncamentos.

Um dos itens exige que o reparo profundo com cimento asfalto, que representa 5% da extensão da rodovia, que está em condições precárias.

Nesta etapa, a concessionária deverá efetuar obras para garantir a segurança dos pedestres e motoristas e aprimorar a apresentação visual da rodovia.

Só em indenizações para a duplicação da via serão investidos R$ 50 milhões. Também estão previstos R$ 44,2 milhões na construção de praças de pedágios, reforma e ampliação dos postos da Polícia Rodoviária Federal.

Só na implementação e substituição de defensas metálicas e construção de cercas de proteção serão investidos R$ 44,2 milhões.

Pedágio

A ANTT prevê que a cobrança de pedágio deverá começar em agosto de 2015, 18 meses após a assinatura do contrato.

A CCR deverá iniciar a cobrança após duplicar, no mínimo, 10% dos 847 quilômetros de rodovia. A previsão é de que o pedágio custe R$ 4,38 a cada 100 quilômetros.

No primeiro ano da cobrança, a estimativa é de que 68,9 mil automóveis, ônibus e caminhões paguem pedágio por dia na BR-163, em Mato Grosso do Sul.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui