MENOS MORTOS: Sistema Castello-Raposo registra menos mortes nas estradas sob sua administração, em 10 anos. Fotos: Divulgação

De acordo com levantamento da concessionária ViaOeste, responsável pelas rodovias, houve redução expressiva ns rodovias do Sistema

Em 2020, chega ao final a Década de Ação pela Segurança no Trânsito 2011-2020, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU). Este movimento estabeleceu o compromisso de governos de todo o mundo a tomar medidas para prevenir os acidentes no trânsito e reduzir o número de mortos e feridos em 50% nesses últimos dez anos. A concessionária ViaOeste chega ao final da década com redução de 56% das mortes no Sistema Castello-Raposo, no comparativo entre 2010 e 2019. Essa redução também deve ser mantida em relação a 2020, que apresenta número de mortes e feridos inferior a 2019.

Bem antes de ser lançado o Plano de Ação Global para a Década, muitas ações já vinham sendo desenvolvidas no Estado de São Paulo e, especialmente nas rodovias que dão acesso ao oeste do Estado, através do Programa de Concessões Rodoviárias. São mais de 20 anos de um importante trabalho de conscientização dos motoristas e modernização da malha viária do Sistema Castello-Raposo.

Em 2019 a empresa registrou o menor número de óbitos desde o início da concessão, em 1998. A redução foi de mais de 55%, isso mesmo com aumentos expressivos na quantidade de veículos trafegando pelas rodovias nos últimos 20 anos. “Se olharmos o índice de mortalidade, que é uma métrica que pondera a quantidade de acidentes com óbitos pelo aumento no volume de tráfego, a redução foi superior a 75%”, enfatiza o gestor de Operações Viárias da ViaOeste, Carlos Costa.

Ele atribui essas significativas reduções a importantes investimentos em obras para modernização da malha viária, bem como em constantes campanhas de conscientização dos condutores. “Muitos planos de trabalho foram desenvolvidos e metas traçadas, sempre contando com equipes qualificadas e comprometidas. E isso é possível com investimento em tecnologia e inteligência para proporcionar fluidez nas estradas e segurança aos motoristas”, destaca.

Quando se fala em cuidados com os usuários das rodovias, o Centro de Controle Operacional é o coração deste amplo sistema. É a equipe do CCO que monitora o trecho sob concessão por meio das mais de 70 câmeras que atuam exclusivamente no monitoramento do tráfego, proporcionando atuação preventiva e emergencial com o menor tempo de resposta. Também importantes são as 40 estações analisadoras de tráfego, que contam veículos e medem velocidade, transmitindo as informações em tempo real ao Centro de Controle, que desta forma pode antever o aumento do fluxo e as eventuais consequências para a segurança dos motoristas.

SEMPRE ATENTOS: Quando se fala em cuidados com os usuários das rodovias, o Centro de Controle Operacional é o coração deste amplo sistema, que transmite os pedidos de socorro às equipes do Serviço de Ajuda ao Usuário (SAU). 

Estas tecnologias, apesar de extremamente úteis para a gestão operacional, já fazem parte da rotina da concessionária há muito tempo. Novas tecnologias têm sido incorporadas à operação viária, como por exemplo o uso de drones para diversas finalidades. Este equipamento contribui para realização de estudos de tráfego, facilitando significativamente na identificação de variáveis ou situações que interferem na condição de fluidez e segurança das rodovias. “Apesar de existir câmeras de monitoramento, o drone dá mais autonomia para o processo investigativo, permite novos ângulos e visões. O drone também dá maior agilidade e qualidade no processo de manutenção da rodovia, identificando de maneira mais ágil eventuais anomalias em estruturas como viadutos e pontes, além de alimentar a base de dados para monitoramento preventivo da rodovia”, explica.

O trabalho de inteligência operacional também é algo que merece destaque, em especial considerando as evoluções tecnológicas dos últimos anos. O gestor da concessionária expõe que há um trabalho forte para a transformação dos dados operacionais dos sistemas e equipamentos em informações relevantes que subsidiem a tomada de decisão das equipes técnicas e de gestão. “O mapeamento de pontos de recorrência de acidentes, congestionamentos, panes e outros eventos na rodovia faz parte de um processo contínuo de aprimoramento da logística operacional, das ações de engenharia e atividades que envolvam outros entes, como por exemplo, a Policia Militar Rodoviária”, acrescenta.

Responsabilidade Social

A formação dos futuros motoristas também é uma preocupação constante da CCR ViaOeste e do Instituto CCR. Prova disso é o programa Caminhos para a Cidadania, uma ação socioeducacional que leva ensinamentos e reflexões sobre cidadania, segurança no trânsito, mobilidade urbana e meio ambiente aos alunos dos quartos e quintos anos da rede pública de ensino, por meio de formação aos professores. Em 2020 o programa se estendeu do primeiro ao terceiro ano. É coordenado pelo Instituto CCR, com o apoio das Unidades de Negócio do Grupo CCR e oferece uma abordagem didático-pedagógica, desenvolvida para se trabalhar especialmente questões relativas a esses temas.

Seu objetivo é contribuir para uma comunidade mais consciente, preservando vidas e formando jovens cidadãos. Desde 2002 já atendeu mais de 3,4 milhões de alunos, mais de 131 mil educadores e já esteve em 118 municípios, incluindo as cidades com interface direta com o Sistema Castello-Raposo.

Fonte: Assessoria de imprensa da ViaOeste

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui