ILUMINAÇÃO NOVA: Túneis da Linha Amarela ganham nova iluminação totalmente em LED. Fotos: Divulgação

Concessionária Lamsa finalizou a instalação de novas lâmpadas em túneis e conta com nova tecnologia em toda a Via Expressa

A Linha Amarela está com uma novidade na Via Expressa. A concessionária inaugurou nesta semana iluminação a LED nos quatro túneis. A partir de agora, todos os 3.252 pontos de luz dos 17,4 quilômetros da rodovia contam com a mesma tecnologia.

De acordo com a empresa, a nova tecnologia aumentará a luminosidade nesses ambientes e o conforto visual para os motoristas, proporcionando maior visibilidade e reduzindo a possibilidade de acidentes para  tornar a viagem ainda mais segura.

Ainda de acordo com a concessionária, o investimento foi de R$ 3,8 milhões na modernização e melhoria no sistema de iluminação de toda a via, sendo R$ 1,7 milhão nos túneis.

Projetores de luz

De acordo com o projeto, o trecho contemplado contou com a substituição de 1.617 projetores de luz dos túneis em 2.635 metros em cada uma das duas pistas, incluindo o Túnel da Covanca, quinto maior do país, com 2.187m de extensão.

Segundo os técnicos, as vantagens das lâmpadas a LED já eram conhecidas dos condutores no resto da Linha Amarela, que já contava com essa iluminação — implantada ao longo da via após um investimento de R$ 2,16 milhões, em 2018.

Ainda de acordo com os profissionais, a luz branca da iluminação a LED faz com que as pistas sejam muito mais claras à noite e nos túneis, aumentando o nível de iluminação em cerca de 32%. A instalação das novas lâmpadas começou em dezembro. A medida faz parte do programa permanente de manutenção da Linha Amarela e pretende baixar ainda mais os índices de acidentes na pista.

Assim, a Linha Amarela não conta mais com lâmpadas a vapor de sódio, com luz amarela. “O sistema de iluminação com tecnologia LED é amplamente utilizado nas principais cidades do mundo. Além de ser mais eficiente, garante melhor visibilidade para o motorista, um fator essencial para a questão da segurança viária”, esclarece o superintendente da Lamsa, Marcus Rosa.

ECONOMIA: A nova tecnologia é ecologicamente correta, consumindo 57% a menos de energia do que a dos modelos antigos, de vapor de sódio, que gastam menos eletricidade e iluminam melhor.

Tecnologia sustentável

Além disso, a tecnologia é ecologicamente correta, consumindo 57% a menos de energia do que a dos modelos antigos, de vapor de sódio. Ou seja: as novas lâmpadas gastam menos eletricidade e iluminam melhor. Elas também são mais sustentáveis, com vida útil de sete anos. No resto da pista, onde as luzes são acesas ao escurecer, a sua duração chega a 14 anos.

“As lâmpadas a LED iluminam melhor e permitem um uso mais racional de eletricidade. Além disso, duram mais, o que reduz o descarte de material no meio ambiente, e temos, ainda, uma rodovia mais segura”, explica Augusto Schein, diretor de Operação e Manutenção de Rodovias da Invepar, grupo controlador da Lamsa.

Sobre a Linha Amarela

Construída em 1997, a Linha Amarela é uma das mais importantes vias expressas do Rio de Janeiro e marcou a história da cidade pela revitalização de grande parte das zonas Norte e Oeste. A rodovia é administrada pela Lamsa, responsável pelos seus 17,4km de extensão, onde circulam em média 300 mil veículos por dia. A Lamsa é uma empresa pertencente ao grupo Invepar, formado pelos fundos Previ, Petros, Funcef e Yosemite — compostos majoritariamente por pensionistas e aposentados brasileiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui